O problema está em Berardo ou em quem facilitou o roubo do “chico esperto” da Madeira?

"Berardo é apenas um burgesso, uma esperteza saloia de dimensão maior, porque mexe com milhões. Limitou-se a entrar pela enorme porta que aqueles que são o cérebro da pandilha lhe deixaram aberta" - Opinião de Nuno Cláudio

Na minha modestíssima opinião – porque é de um exercício de opinião que se trata neste espaço – está a haver um erro generalizado de análise em relação ao caso Berardo.

Os portugueses, cansados de serem roubados e enganados, estão a cair em cima de Berardo, considerando que o homem enganou o banco público e, afinal, enganou todos nós. Na verdade, Berardo é tão somente um “chico esperto” que aproveitou até à exaustão os buracos que a legislação evidencia para salvaguarda dos verdadeiros gatunos.

Ora veja, caro leitor: qualquer um de nós, para conseguir um empréstimo na Caixa Geral de Depósitos, precisa de apresentar garantias: imóveis, recibos de tudo e de mais alguma coisa, fiadores, declarações disto e daquilo. Em contraponto, este Berardo conseguiu incontáveis milhões apenas com a ajuda da sua beleza e de um elegante sotaque. Quem foi, então, o responsável pelo desbaratar de dinheiro? Berardo ou os responsáveis do banco público que lhe deram literalmente milhões sem qualquer exigência?

Segunda questão: o homem não tem rigorosamente coisa alguma em seu nome, porque criou sociedades, fundações e associações que lhe protegem o património. Passou os bens para estas entidades para não ser penhorado pelas dívidas à Caixa. Não há qualquer ilegalidade neste género de práticas, que é tão comum como pessoas vestidas de vermelho no Estádio da Luz em dia de jogo. Imoral? Só se for pelas quantias em causa, porque quando se trata de fugir à voracidade do Estado para garantir a sobrevivência já consideramos a prática uma espécie de reposição da justiça. É a tal coisa do ladrão que rouba a ladrão…

Quem é que criou a legislação que permite constituir sociedades, fundações, associações e off-shores? Quem é que não dá qualquer passo para alterar tal estado de coisas? Se pensarmos bem, então facilmente chegamos aos verdadeiros ladrões. Berardo é apenas um burgesso, uma esperteza saloia de dimensão maior, porque mexe com milhões. Limitou-se a entrar pela enorme porta que aqueles que são o cérebro da pandilha lhe deixaram aberta.

 

VIANuno Cláudio
COMPARTILHAR