5 de Outubro: o feriado das vaidades que não faz qualquer sentido

Opinião de Nuno Cláudio

Desde há longos anos que procuro um sentido para este feriado que se assinala a 5 de Outubro, mas em vão. Vejo ministros, governantes e presidentes com pompa e circunstância, bandas e comendas mas, com toda a franqueza, continuo sem perceber o que efectivamente se comemora ou evoca nesta data.

Passagem da monarquia para a república. É aqui que todas as minhas dúvidas e confusões se alinham num ponto de partida. Houve um golpe de estado, que se consubstanciou no assassinato de um líder legítimo. Ah, era um monarca, e a monarquia era um papão medonho. Oitocentos anos de história (e de glória, pelo que dizem, pois ainda hoje assinalam com orgulho os chamados descobrimentos e evocam os heróis desse tempo em toponímias) deitados ao lixo. Com um golpe de estado e o assassinato de um líder legítimo, reforço.

Depois chegou o maravilhoso Portugal pós monárquico. Primeiro tivemos meio século de um simpático ditador que não hesitava em mandar matar quem dele discordasse – na melhor das hipóteses havia a prisão, mas quantos foram os que desapareceram nesse Portugal obscuro e profundamente atrasado, quase ao nível da Coreia do Norte que alguns históricos com responsabilidades governativas ainda hoje renegam existir.

E a seguir veio a singular revolução, que promoveu sucessivas banca-rotas, com o disparo fenomenal do endividamento externo e da total dependência das grandes potências mundiais, às quais hoje prestamos absoluta vassalagem. Já para não falar dos gatunos medonhos que levam todo o dinheiro do povo a coberto da classe política e das instituições bancárias.

Deixo aqui bem claro que não sou nem monárquico nem republicano. Para desanuviar o ambiente deste artigo, garanto-vos que não sou de cá. No meu “país” não há regimes, nem comendas, nem feriados vestidos de cinismo. Mas como estou por cá de passagem, reafirmo que me faz muita confusão este 5 de Outubro, pois não sei o que se comemora: se o fim desse medonho regime monárquico, se a chegada do maravilhoso regime republicano pejado de ditadores e ladrões de fato e gravata.

Haja festa, que é o que o povo precisa para continuar de olhos fechados.


VIANuno Cláudio
COMPARTILHAR