Bitcoins em Alenquer e Aveiras: 2019 foi o ano da desgraça para centenas de “investidores”

Na região muitos querem esquecer depressa o ano que agora terminou. Histórias de pessoas que foram enganadas à conta de uma promessa de lucros de tal forma fácil que nem em contos de fadas tal cenário seria possível de concretizar. O sonho de enriquecer transformou-se na desgraça e vergonha de muita gente.

2019 terminou há menos de 24 horas mas na região existirá seguramente quem queira esquecer depressa esse fatídico último ano da década passada. Multiplicam-se as inacreditáveis histórias de pessoas bem conhecidas que foram enganadas à conta de uma promessa de lucros de tal forma fácil que nem em contos de fadas tal cenário seria possível de concretizar. O sonho de enriquecer transformou-se depressa na desgraça e na vergonha de muita gente.

Nas regiões de Aveiras de Cima e de Alenquer o assunto ainda está bem vivo e somam-se os casos de incautos que verdadeiramente acreditaram… no Pai Natal. As chamadas Bitcoins (moeda virtual) foram o mote para uma golpada à boa maneira da afamada Dona Branca. A senhora colectava avultadas quantias de dinheiro num escritório montado num vão de escada e prometia margens de lucro brutais, que eram pagas em forma de juros mensais. Cada novo depósito alimentava os juros pagos aos depositantes que ocupavam o topo da pirâmide.

Pior foi quando deixaram de entrar novos depositantes. Assim que o dinheiro faltou, foi a corrida ao levantamento. Escusado será dizer que a maior parte dos depositantes aventureiros não recuperou sequer o dinheiro que lá havia deixado. Perderam-se milhões e a senhora acabou por ficar conhecida pela Banqueira do Povo.

Em boa verdade, seria de supor que em 2019 já ninguém caísse neste género de conto de fadas. O dinheiro não se reproduz e muito raramente alguém enriquece de forma tão súbita e fácil… a não ser que se trate de uma actividade suspeita, daquelas que dão trabalho às polícias de investigação. Mas em Aveiras de Cima e em Alenquer temos, infelizmente, muitos exemplos de boa gente que acreditou na promessa de dinheiro fácil. Caíram com tal estrondo que alguns ficaram na miséria depois de terem torrado as poupanças de uma vida.

O local onde se vendiam todos os sonhos estava situado mesmo no centro das vilas de Aveiras de Cima e de Alenquer, nesta última em plena estrada nacional. Options Knight… o nome até causa arrepios para a maior parte dos que foram ludibriados. Esta é a empresa que está por detrás deste negócio das arábias. De acordo com o Banco de Portugal, a actividade desta Options Knight, sediada em Miami, é absolutamente ilegal em Portugal. Mesmo assim, houve quem acreditasse que iria ficar rico.

O problema, dizem alguns a modos que procurando atenuar a dura verdade, esteve na desvalorização da Bitcoin ocorrida nos derradeiros meses do ano transacto. Desde aí até à drástica redução dos “investidores” foi um passo de criança: o esquema rapidamente entrou em colapso e centenas de pessoas ficaram sem dinheiro. Há casos de divórcio e até abordagens violentas por parte de alguns enganados que estão com dificuldade em aceitar a situação.

Em Aveiras de Cima não há dia ou hora que não se fale do assunto. Alguns até aproveitam para satirizar aqueles que, conhecidos por alguma avareza, acabaram por entregar todo o dinheiro de uma vida aos “saqueadores de Miami”. Diz-se que foram vários os aventureiros que até recorreram ao crédito para entregar o dinheiro… para a reprodução fácil. Houve quem “torrasse” 100 mil euros. Outro caso ascendeu aos 50 mil euros. E muitos são os depositantes de quantias mais pequenas, na casa dos 20 mil, 10 mil e 5 mil euros. Ficaram todos sem dinheiro.

Já em Alenquer a situação é similar. Ainda há quem acredite que um dia vai reaver o dinheiro. Falámos com alguns lesados que não pensam sequer em dar a cara por estarem consumidos de vergonha, sendo que este estado de espírito é transversal a quem acreditou neste esquema fraudulento tanto em Alenquer como em Aveiras de Cima e, afinal, em toda a região.

Entre faustosos banquetes e fatos de gala contaram-se milhares e milhares de euros transportados em sacos e malas. Fala-se de gorjetas milionárias. Um regabofe que nem em filme seria fácil de imaginar. A pura da verdade é que o dinheiro não desapareceu: ele está no bolso de alguém que possivelmente ninguém conhece. Depois houve alguns que arrecadaram umas migalhas e estão a desejar que a coisa seja esquecida depressa.

Quanto à maior parte, ficou claramente descapitalizada. Sem dinheiro e com muito pouco ou quase nada a que se agarrar. O choque com a realidade foi de tal forma brutal que vai haver quem dificilmente consiga recuperar tão depressa. Uns porque os consome a vergonha de terem sido enganados num mundo repleto de informação; outros porque, na verdade, perderam mesmo quase tudo o que tinham.


VIAAlexandre Silva
COMPARTILHAR