Pedro Ribeiro quer intervenção do governo na insolvência da Fleximol

A situação da Fleximol preocupa o Presidente da Câmara Municipal do Cartaxo. Pedro Ribeiro já pediu ao Ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital e à Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social o agendamento de uma reunião com a presença de ambos e uma visita ao local. A Fleximol exporta cerca de 90% da sua produção e a sua situação agravou-se com a pandemia sendo que no presente mês entrou em processo de insolvência.

A insolvência da Fleximol “terá efeitos devastadores na nossa economia local e numa população já fragilizada e afectada com a situação de pandemia que vivemos, sem fim à vista”, refere o autarca. A empresa fica situada na Zona Industrial do Cartaxo, em Vila Chã de Ourique, e emprega cerca de uma centena de trabalhadores.

Esta não é a primeira vez que a empresa Fleximol enfrenta dificuldades graves. No final de Junho de 2019, alguns dias depois de ter visitado a empresa, Pedro Magalhães Ribeiro promoveu uma reunião entre a administração e investidores potenciais interessados na aquisição desta empresa de suspensões de folha de mola e abraçadeiras para veículos comerciais.

 “A relevância desta empresa que emprega 96 trabalhadores é indiscutível no panorama nacional e local e o seu encerramento terá repercussões na economia local, mas os problemas sociais associados também me preocupam”, acrescenta Pedro Ribeiro, que complementa: “São famílias inteiras que, num período já difícil, em que as consequências da pandemia da doença COVID-19 se fazem sentir em muitos níveis, se vêem agora na perspectiva de perder o seu emprego e o seu sustento”.

Esta preocupação levou Pedro Magalhães Ribeiro a contactar a administradora da empresa, Inês Carmona. “A administradora informou-me que existe a convicção de que a empresa possa continuar a laborar através de um plano de recuperação para o efeito”, explicou o autarca.

Nesse sentido, o presidente da Câmara Municipal endereçou um ofício ao Ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, e à Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, solicitando um pedido de agendamento de reunião. Este encontro deverá contar com as presenças de representantes da CGTP, da empresa e dos trabalhadores”.

Pedro Ribeiro acrescenta: “Pretendemos que sejam avaliadas todas as hipóteses de ver recuperada esta empresa essencial para a nossa economia e minimizados os efeitos que um encerramento assim abrupto traz ao Cartaxo e à nossa população”. A Fleximol abriu portas em 1991 e fornece os fabricantes de camiões mais reputados na Europa, sendo ainda fornecedor exclusivo para as linhas de montagem em Portugal da Mitsubishi e Toyota.

COMPARTILHAR