Primeiro caso de Covid-19 confirmado na Interaves

Confirmado o primeiro caso de infecção pelo coronavírus na Interaves. A revelação foi feita aos funcionários da empresa após reunião ocorrida entre a administração e as chefias da fábrica. A empresa também garantiu aos colaboradores que vai realizar testes a todos os funcionários logo que seja possível.

Está confirmado o primeiro caso de infecção pelo coronavírus na empresa Interaves. Trata-se de um colaborador da secção de expedição, morador em Penedos de Alenquer, cujo teste positivo foi confirmado aos funcionários da empresa após reunião ocorrida entre a administração e as chefias da fábrica. A empresa também garantiu aos colaboradores que vai realizar testes a todos os funcionários logo que seja possível.

Recorde-se que no passado sábado o Fundamental publicou uma reportagem dando conta de todos os procedimentos de segurança que a administração da Interaves adoptou no âmbito desta pandemia de coronavírus que assola o País e o Mundo. Na nossa investigação apurámos que mesmo antes de “rebentar” o caso da congénere Avipronto, a Interaves adoptou um conjunto relevante de medidas que visavam a protecção dos seus colabores e o evitar de focos de contágio naquela unidade fabril.

Revelámos igualmente que estas medidas nem sempre foram fáceis de implementar na prática. Uma das funcionárias da Interaves relatou na altura ao Fundamental: “Nem todos os trabalhadores usam o desinfectante quando entram na empresa ou no refeitório, e não existe limite de funcionários nos balneários, onde os cacifos estão colocados lado a lado”.

Ainda de acordo com a mesma funcionária, ninguém usava máscara na hora de almoço, no percurso dos balneários para o refeitório e na respectiva fila. Esta funcionária referi também: “No refeitório existe uma cadeira vaga entre funcionários, mas estes são colocados a almoçar frente a frente. No pequeno almoço, são os próprios funcionários que colocam manteiga ou doce no seu pão e todos utilizam a mesma faca”.

Já depois do Fundamental ter publicado a notícia, as alterações e melhorias foram imediatas, conforme assegura a nossa fonte: “No refeitório, agora existem pacotes de manteiga individuais para os trabalhadores levarem para a mesa; anteriormente, cada trabalhador retirava a sua sopa da panela eléctrica com a mesma concha, e agora é a cozinheira que o faz”. Também a máscara na hora de almoço, no percurso dos balneários para o refeitório e na respectiva fila passou a ser de uso obrigatório.

Ainda de acordo com esta nossa fonte, os lugares no refeitório passaram a ser identificados com letreiros explicitando quais são os permitidos, ou proibidos, para sentar. Em cada mesa existe um rolo de papel e desinfectante para cada funcionário desinfectar o seu lugar antes e depois de sentar.


Azambuja caminha para cerco sanitário? Jornalista de Ovar conta experiência impressionante

E se Azambuja necessitasse de um cerco sanitário para combater o surto da Zona Industrial? Luís Ventura é jornalista, vive em Ovar e faz um relato impressionante dos tempos de Cerco Sanitário que durante semanas condicionou a vida dos vareiros.

VIAAlexandre Silva
COMPARTILHAR