Alenquer: antigo cemitério judaico poderá atrasar obra de requalificação do Bairro do Areal

A requalificação urbana da zona do Areal vai custar cerca de 2 milhões de euros, mas a obra ainda não teve inicio por haver suspeitas da presença de um cemitério judaico naquela região do centro da Vila sede de concelho.

A requalificação urbana da zona do Areal vai custar cerca de 2 milhões de euros, mas a obra ainda não teve inicio por haver suspeitas da presença de um cemitério judaico naquela região do centro da Vila sede de concelho. O local foi em tempos habitado pelo povo Judeu e poderão existir restos de sepulturas que para já impedem o avançar deste projeto que a autarquia quer levar por diante no âmbito do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano de Alenquer.

Em termos históricos esta zona terá sido habitada pelo povo Judeu, e por essa razão pensa-se que aqui poderá haver um cemitério, pelo que a DGPC deu instruções no sentido de não se avançar para já com a requalificação urbana do Areal“, explicou Pedro Folgado. O autarca assegurou que a obra já está consignada pelo que a mesma só não avança devido a esta exigência da Direção Geral do Património Cultural.

Pedro Folgado acrescenta a este propósito: “Já estão a ser feitas sondagens a esse propósito; se percorrermos esta zona a pé veremos vários buracos que foram abertos precisamente para levar a cabo essas sondagens exigidas pela DGPC“. O autarca assegurou igualmente que a obra de requalificação do Areal avançará assim que as referidas sondagens forem concluídas. “Será uma obra complexa e demorada, que consiste na intervenção em tudo o que é espaço público, nomeadamente calçadas, enterrar de cabos e outras requalificações similares“, afirmou igualmente Pedro Folgado.

O presidente e recandidato ainda referiu sobre a requalificação urbana do Bairro do Areal: “Trata-se de um bairro que foi abandonado durante muitos anos, mas que agora vai ter uma nova cara, e admito mesmo que depois desta requalificação o investimento por parte de particulares seja maior do que tem sido nos últimos anos“. O edil explicou que esta é a obra mais onerosa mas também a mais atrasada no contexto do PEDU e que, atendendo ao seu valor (os já referidos 2 milhões de euros), tal leva a que a taxa de execução de obras do Município de Alenquer ainda esteja referenciada na casa dos 50 por cento.


Pedro Folgado: “Gostaria de ter a confiança dos alenquerenses para fechar ciclo de 12 anos”

Esta é a entrevista que fecha para já o ciclo de conversas com os candidatos à presidência da autarquia de Alenquer em 2021. Pedro Folgado é recandidato pelo PS e pede aos alenquerenses oportunidade para encerrar um ciclo de 12 anos à frente da autarquia. Veja a entrevista já de seguida.

VIAAlexandre Silva
COMPARTILHAR