Lixeira de Azambuja: executivo mostra os dentes ao Governo e reforça: “Triaza está à margem da lei”

A Agência Portuguesa do Ambiente reafirma a legalidade do aterro da Triaza, mas a autarquia está disposta a mostrar os dentes ao governo central e ir até às últimas consequências pelo fecho do aterro que desgosta a população de Azambuja.

O assunto “aterro da Triaza” continua a ser tema na ordem do dia para os lados de Azambuja. Aquele aterro sanitário tem tirado noites de sono aos habitantes da vila sede de concelho, e também aos autarcas que continuam a pretender encerrar aquele depósito de lixo. Recentemente a Agência Portuguesa do Ambiente afirmou a legalidade do aterro, o que deixou os responsáveis pela autarquia local com os nervos em franja.

A renovação da licença de funcionamento do aterro por parte deste organismo governamental foi mais um recuo nas assumidas pretensões dos governantes locais de encerrar a lixeira. Neste aspeto maioria e oposição estão alinhadas pelo mesmo diapasão, ainda que os partidos que não governam a Câmara de Azambuja aproveitem o assunto para procurar capitalizar votos tendo em vista as autárquicas que se aproximam. O Partido Socialista assumiu responsabilidades e desde há mais de um ano que se bate pelo fecho da lixeira.

Desta forma, os autarcas locais enveredaram pelo caminho de procurar provar que a empresa Triaza, que explora o aterro, desde há muito que ultrapassou as cotas permitidas pelos termos do licenciamento, que foi concedido durante a presidência do já falecido autarca Joaquim Ramos. Câmara e Triaza estão, desta forma, em guerra aberta e assumida, tendo recentemente a autarquia chegado ao ponto de solicitar a presença de agentes da GNR para poder entrar no aterro e fiscalizar a atividade do mesmo.

A Câmara de Azambuja relembra: “Estavam previstas três células para depósito de resíduos; mas a autarquia aprovou por unanimidade a caducidade do projeto e o arquivamento oficioso do processo que envolvia a abertura das células 2 e 3”. Os responsáveis camarários alegam que a Triaza desde há muito que ultrapassou as 201 868 toneladas de capacidade de armazenamento de lixo permitidas pelo licenciamento.

Já a empresa afirma que até ao momento somente armazenou cerca de 173 mil toneladas, pelo que entende poder continuar a receber camiões de lixo para descarregar nestas martirizadas terras, ali mesmo às portas da vila de Azambuja. E para arreliar ainda mais os autarcas locais, a Agencia Portuguesa do Ambiente reconhece razão às pretensões da Triaza. A Câmara de Azambuja relembra: “Durante a atividade deste aterro á demos conta de diversos atropelos à Lei por parte da Triaza”. A autarquia afirma ter dado conta destas ilegalidades às autoridades competentes, tal como também agiu judicialmente contra a empresa acumuladora de lixo.

A autarquia de Azambuja pretende, desta forma, encerrar imediatamente a célula 1, que acolhe atualmente todo o lixo que chega àquele espaço, assim como pretende não permitir que a empresa dê seguimento à sua atividade inaugurando mais duas células de recolha de resíduos. “A Câmara de Azambuja não permitirá a abertura de novas células e está a fazer tudo o que pode para assegurar o encerramento da atual”, complementa o executivo liderado por Luís de Sousa.

Ainda a propósito da posição manifestada pela Agência Portuguesa do Ambiente, os responsáveis pela Câmara de Azambuja referem: “É praticamente inconsequente, porquanto nunca iremos permitir que a Triaza abra mais células para depósito de lixo”. E no meio de todo este imbróglio, a verdade é que a vila de Azambuja continua a ter de conviver paredes meias com esta aberração ambiental.

VIAAlexandre Silva
COMPARTILHAR