Assalto ao Lar de Aveiras: cofre encontrado vazio e vandalizado perto de Alcoentre

O cofre roubado do Lar de Idosos do Centro Paroquial de Aveiras de Cima foi encontrado pelas autoridades policiais num terreno contíguo ao muro da Quinta da Torre Bela. O cofre estava vandalizado, foi cortado e encontrava-se vazio. As autoridades ainda não identificaram os autores deste roubo.

O cofre roubado do Lar de Idosos do Centro Paroquial de Aveiras de Cima foi encontrado pelas autoridades policiais num terreno contíguo ao muro da Quinta da Torre Bela, próximo de Alcoentre, numa zona conhecida por Casais da Caneira. O cofre estava vandalizado, foi cortado e encontrava-se vazio. As autoridades ainda não identificaram os autores deste roubo.

De resto, este tem sido um assunto seguido com muito interesse pela população nos últimos dias em Aveiras de Cima. O cofre, de generosas dimensões, foi furtado na madrugada de quinta-feira, dia 22 de Abril. Os gatunos entraram nas instalações do imponente Lar de Idosos e foram diretos à sala onde se encontrava o cofre, naquele que tudo indica terá sido um assalto planeado por alguém que conhecia muito bem as rotinas da instituição.

Para entrarem na instituição os larápios precisaram de passar por um portão elétrico, que desativaram para aceder à propriedade. O Fundamental também apurou que a matricula do carro que utilizaram para transportar o cofre roubado será uma matricula falsa. Já o cofre foi posteriormente encontrado numa zona junto à estrada nacional 366 entre Aveiras de Cima e Alcoentre conhecida por ser palco de atividades ligadas à prostituição, e nesta altura está guardado na garagem da Junta de Freguesia de Aveiras de Cima, que também é utilizada pela GNR local.

O cofre estará destruído, de acordo com o que apurámos. Foi cortado com uma rebarbadora para que os gatunos pudessem aceder ao seu conteúdo, que acabaria por ser integralmente roubado. Tal como o Fundamental já tinha noticiado, o cofre continha cerca de 5 mil euros em dinheiro e ainda alguns objetos pessoais de relevante valor pertencentes ao Prior António Cardoso, tais como relógios de ouro e prata e ainda uma coleção de moedas que o Prior tinha herdado do seu progenitor.

Foi o próprio Prior quem contou ao Fundamental alguns dos contornos deste roubo: “Entraram com uma precisão muito grande, e levaram o cofre que continha 5 mil euros e ainda alguns objetos pessoais de incomensurável valor, como uma coleção de moedas de prata que eram do meu pai e dois relógios de família que tinham para mim um valor insubstituível“.

O Prior António Cardoso está mesmo desolado com este roubo e nos últimos dias não tem conseguido esconder a tristeza que lhe vai na alma: “Uma instituição que vive para fazer o bem, que se esforça tanto para levar a cabo esse desígnio e que sobrevive com tantas dificuldades e é logo aqui que vêm roubar, a quem muito dá e pouco tem“, lamentou. De facto, o Prior não merecia um atentado desta natureza, ele que tem dedicado toda uma vida à causa pública, abdicando mesmo dos seus próprios bens em prol da comunidade.

VIAAlexandre Silva
COMPARTILHAR