Rui Neto é o candidato à Assembleia Municipal de Alenquer pelo PSD

Rui Neto vai ser o candidato à presidência da Assembleia Municipal pelo PSD em Alenquer. O antigo candidato a presidente da autarquia e atual deputado municipal deseja formar uma lista de pessoas independentes oriundas da sociedade civil que protagonizem uma postura construtiva.

Rui Neto vai ser o candidato à presidência da Assembleia Municipal pelo PSD em Alenquer. O antigo candidato a presidente da autarquia e atual deputado municipal deseja formar uma lista de pessoas independentes oriundas da sociedade civil que protagonizem uma postura construtiva. Alfredo Trinca, percursor do Movimento Alenquer Água Justa, é um dos nomes convidados por Rui Neto que se enquadra neste espírito, de acordo com o candidato.

Rui Neto falou já hoje para os leitores do Fundamental: “O partido neste momento precisa de sossego e desse contributo, de alguém que faça a ponte entre os históricos e os contestatários, e eu vou levar a cabo essa missão, que é difícil mas que eu acho que vou conseguir ser bem sucedido“. O conhecido engenheiro e militante social democrata acrescentou: “É nos momentos difíceis que temos que dar a mão ao partido, e eu nunca fugi aos desafios“.

Rui Neto não se mostra preocupado com os primeiros tempos de Nuno Miguel Henriques em Alenquer: “O PSD é um partido com uma história assente numa matriz de liberdade, e quando chega a altura do combate político as pessoas unem-se; e eu, dentro do meu espírito de concórdia e de serenidade, espero contribuir para que essa seja a realidade em Alenquer daqui para a frente“. O candidato a presidente da Assembleia Municipal acredita que o PSD vai ter um “resultado bonito em Alenquer“, e citámos Rui neto, que acrescenta: “Se não lutarmos é que não teremos nada“.

O engenheiro fala ainda sobre o fim da coligação e afirma: “Pelo que me apercebi, o CDS de antemão queria fazer listas separadas e já tinha tudo preparado. Nós tivemos uma reunião em finais de Março e eles já tinham mais de metade das listas feitas, e isso não se consegue organizar em um ou dois meses“, reforçando a ideia do partido liderado por Mário Amaro querer fazer uma lista autónoma.

Rui Neto relembra que sempre defendeu a intervenção cívica mas assegura que não pretende reunir um grupo de contestação: “Quero ter na minha lista uma quantidade de independentes, aberta à sociedade civil, e não quero saber se as pessoas são deste ou daquele partido; não quero “roubar” militantes a ninguém, mas terei uma lista aberta a todas as sensibilidades políticas e a todos aqueles que se sintam democráticos e respeitem a democracia“.

VIAAlexandre Silva
COMPARTILHAR