Sousa e o fim de Inês no PS: “Dizem que saiu porque queria ser candidata à Assembleia Municipal”

Luís de Sousa não tem dúvidas: a saída de Inês Louro do Partido Socialista de Azambuja não vai prejudicar a estratégia do PS para as próximas autárquicas. O Presidente da Câmara afirma ainda que a autarca dissidente terá tomado a decisão porque queria ser ela a candidata a presidente da Assembleia Municipal.

Luís de Sousa revela um desnorte pouco aceitável para um presidente de câmara... até os seus ele ataca com unhas e dentes!

Luís de Sousa não tem dúvidas: a saída de Inês Louro do Partido Socialista de Azambuja não vai prejudicar a estratégia do PS para as próximas autárquicas. O Presidente da Câmara afirma ainda que a autarca dissidente terá tomado a decisão porque queria ser ela a candidata a presidente da Assembleia Municipal, lugar para o qual o próprio Luís de Sousa já se disponibilizou em Dezembro passado, aquando da sua entrevista ao Fundamental Canal.

Sousa referiu já esta noite ao Fundamental: “É uma opção da senhora presidente da Freguesia de Azambuja; ela é que sabe os passos que vai dar e só ela poderá avaliar se vai mudar para melhor ou para pior“. O autarca rejeita qualquer mal estar recente entre ambos que pudesse ter motivado esta decisão de Inês Louro: “Houve algum mal estar há cerca de 3 anos, e a senhora presidente chegou mesmo a afirmar que eu não era bom presidente de câmara e que o Silvino Lúcio é que haveria de dar um bom presidente, mas eu já ultrapassei tudo isso“.

O Presidente da Câmara de Azambuja reforça esta ideia: “Sempre coloquei uma pedra em cima dessas questões e no dia a dia fui lidando com a senhora como se nada fosse“. Luís de Sousa afirma ainda: “Foi-me dito por camaradas do partido que a senhora afirmou não ter tido solidariedade política, porquanto queria era ser candidata a presidente da assembleia municipal; terá sido essa a razão da sua dissidência do PS“, opina o edil.

Relembre-se que o próprio presidente anunciou em primeiríssima mão no Fundamental Canal em Dezembro último que se disponibilizava para ser candidato a presidir este organismo, depois de ter assegurado que não seria recandidato à câmara em Setembro próximo. “Foi o que me disseram, que a senhora teria dado um prazo para que o partido tomasse essa decisão, e como o prazo acabou ela foi embora porque o Chega! andava em contactos consigo“.

Luís de Sousa também aludiu à questão dos painéis fotovoltaicos, uma das razões apresentadas por Inês Louro para a sua saída do PS: “Não percebo porque é que Inês Louro não quer os painéis fotovoltaicos, uma vez que estamos a caminhar para esse tipo de energia“. O autarca realça: “Fiquei admirado por ela ter tomado esta decisão, mas cada um segue o seu caminho e desejo-lhe felicidades para o futuro, que ao que dizem passa por ser candidata pelo Chega! a presidente da Câmara de Azambuja“.

O Presidente da Câmara de Azambuja rejeita ainda que este episódio possa prejudicar o Partido Socialista nas eleições que se avizinham: “Não, de todo, de forma alguma. A senhora foi a primeira a tomar a decisão de se recandidatar à presidência da junta sem sequer ser ouvida ou convidada pelo partido, e agora tomou esta decisão… enfim, gosta de andar sempre à frente, mas não prejudica o partido, isso é uma certeza que eu tenho“.

VIAAlexandre Silva
COMPARTILHAR