Joaquim Ramos hospitalizado – antigo presidente da Câmara de Azambuja luta contra um linfoma

Joaquim Ramos está internado há duas semanas numa unidade hospitalar em Lisboa onde luta para debelar um linfoma que lhe foi detetado junto à garganta. O antigo presidente da Câmara de Azambuja completou 71 anos a 22 de Novembro.

Joaquim António Ramos está internado há duas semanas numa unidade hospitalar em Lisboa onde luta para debelar um linfoma que lhe foi detetado junto à garganta. O antigo presidente da Câmara de Azambuja completou 71 anos a 22 de Novembro e presidiu ao executivo entre 2001 e 2013, tendo abdicado meses antes de terminar o seu último mandato também devido a um grave problema de saúde.

Recordemos que Joaquim Ramos foi Presidente da Assembleia Municipal de Azambuja durante três mandatos, entre 1989 e 2001, tendo mais tarde encetado um percurso que o levou a presidir à Câmara de Azambuja durante três mandatos, entre 2001 e 2013. Até 2001 o antigo autarca desempenhou cargos de responsabilidade na Câmara Municipal de Lisboa.

O linfoma é definido como um grupo de doenças malignas do sangue, mas que pode ter cura. Desenvolve-se no sistema linfático, que é composto por uma rede de vasos linfáticos que transporta a linfa. Os linfócitos são um tipo de glóbulos brancos responsáveis pela defesa do organismo contra agressões de agentes infeciosos como bactérias ou vírus e, como tal, peças-chave do sistema imunitário.

Acrescente-se que o número de casos de linfoma tem vindo a aumentar nas últimas décadas. Em Portugal são anualmente diagnosticados 1700 novos casos de linfoma. Os sintomas passam pelo aumento dos gânglios linfáticos, designadamente na zona do pescoço, axilas ou virilhas; febre recorrente, perda de apetite e emagrecimento causado pela dificuldade em engolir; cansaço, suores noturnos e prurido.


Sousa e o martírio da Covid-19: “Peço a Deus que ninguém passe pelo que passei nos últimos 15 dias”

O Presidente da Câmara de Azambuja aceitou o desafio do Fundamental Canal para partilhar com os nossos leitores como foi viver quase três semanas infetado com a Covid-19. Luís de Sousa afirma: “Peço a Deus que ninguém tenha de passar pelo que passei nestes últimos 15 dias”.

VIAAlexandre Silva
COMPARTILHAR