Rally vai regressar ao Montejunto – Mítica prova ajudará retoma da economia local (Pedro Folgado)

O Município de Alenquer e o CPKA assinaram na passada sexta-feira o Contrato-Programa de apoio à produção e realização do Rally de Lisboa, que terá o mítico troço do Montejunto como palco desta prova.

Tal como o Fundamental já tinha noticiado em Junho passado, as emoções do Rally vão voltar ao Montejunto. O Município de Alenquer e o CPKA assinaram na passada sexta-feira o Contrato-Programa de apoio à produção e realização do Rally de Lisboa, que terá o mítico troço do Montejunto como palco desta prova.

A cerimónia de assinatura do contrato-programa teve lugar no Salão Nobre dos Paços do Concelho da Câmara de Alenquer e contou com a presença de Pedro Folgado e ainda do Presidente do CPKA, Humberto Silva. O autarca salientou a importância que o rally terá para a região de Alenquer e o facto de se realizar ao ar livre, sem necessidade de grandes ajuntamentos, já que percorre uma parte significativa da região.

Pedro Folgado lembrou igualmente que, e citamos, “a prova terá lugar numa altura em que a pandemia certamente já terá passado a sua pior fase, bem como irá ajudar na dinâmica da economia do território”. Recorde-se que a notícia do regresso do rally a Alenquer foi avançada por Rui Madeira, embaixador desta prova que o Clube de Promoção de Karting e Automobilismo vai colocar de pé já este ano.

Refira-se que esta prova significa o regresso dos ralis para a região da grande Lisboa. E o destaque vai mesmo para a confirmação do regresso do mítico troço de Montejunto aos ralis. Rui Madeira afirmou: “É uma prova que procura preencher uma lacuna que existe no automobilismo, a de não haver uma prova desta natureza que saia da capital do País”. Refira-se que o rali de Lisboa vai ter como pontos de partida e de chegada o Altice Arena.

Esta prova vai percorrer os concelhos de Lisboa, Arruda dos Vinhos, Mafra, Alenquer e Cadaval. Rui Madeira destacou mesmo o, e citamos, “mítico troço do Montejunto”. O antigo piloto acrescenta: “Depois de termos percorrido as classificativas já selecionadas, a do Montejunto acaba até por ser a menos interessante do ponto de vista técnico, apesar de ser um troço mítico dos ralis”.

Ainda que do ponto de vista “profissional” possa não ser a classificativa mais relevante para os desafios que se colocam aos pilotos, a verdade é que já se adivinham as romarias ao Montejunto. Vêm-nos à memória os anos 80 e 90 do século passado, quando os “bólides” roncavam serra acima partindo de Abrigada em direção a Pragança, já no Concelho do Cadaval.

A estrada fechava às 3 da manhã e obrigava milhares de entusiastas a passar a noite na Serra. Era a corrida para os melhores locais que pudessem assegurar uma vista privilegiada do, na altura, Rali de Portugal. Agora chamar-se-á Rali de Lisboa, mas o que verdadeiramente conta são as emoções ligadas à prova em si. Já faltam poucos meses!

VIAAlexandre Silva
COMPARTILHAR