Franco e a demissão da direção da CERCI: “Ninguém quis desistir ou fugir das responsabilidades”

José Franco reitera que a demissão do Conselho de Administração da CERCI foi uma decisão daquela órgão no seu conjunto. O ainda dirigente assegura que, e citamos, "ninguém quis fugir ou desistir das responsabilidades".

José Manuel Franco emitiu nas últimas horas um comunicado através do qual reitera que a demissão do Conselho de Administração da CERCI Flor da Vida foi uma decisão daquele órgão no seu conjunto. O ainda dirigente assegura que, e citamos, “ninguém quis fugir ou desistir das responsabilidades“. 

O presidente da direção da CERCI afirma: “Por se se ter gerado algum ruído a propósito do pedido de demissão do Conselho de Administração da CERCI Flor da Vida, quero pessoalmente clarificar que a decisão foi do órgão, no seu conjunto, após avaliação das condições do seu funcionamento“.

Franco assegura ainda que, e voltamos a citar, “Em momento algum foi avançada a intenção de desistir ou fugir a responsabilidades, apenas a vontade de encontrar soluções que renovem a equipa, assumindo que as mudanças não se devem verificar apenas em conjunturas negativas, mas sempre que as lideranças, genuinamente conhecedoras, entendam que essa seja a estratégia para acrescentar valor no futuro“.

José Manuel Franco diz que para esta tomada de decisão contou também a “avaliação do grau de consecução dos objetivos definidos para o mandato e outros, com enfoque especial no colocar em prática um rigoroso plano de contingência para prevenir e controlar os efeitos da pandemia por COVID-19“.

O dirigente assegura que há uma “perceção clara de que para garantir um presente e um futuro sustentáveis e ambiciosos, face ao assumido propósito de melhoria e desenvolvimento da instituição, substituindo equipamentos desadequados e alargando respostas sociais e serviços, teriam de ser verificar simultaneamente alterações profundas no próprio órgão executivo e na estrutura de apoio“.

José Franco justifica desta forma a tomada de decisão do coletivo e acrescenta: “Não fazer essa avaliação e não avançar com medidas e proceder a mudanças seria, no nosso entendimento, demonstrativo de falta de seriedade institucional. Ninguém mais do que cada um de nós deseja o sucesso do projeto e garantir a solidez da CERCI“.

José Manuel Franco finaliza garantindo que “a reflexão continuará a ser feita de forma profunda e sistemática, como também continuaremos a trabalhar incansavelmente para garantir as melhores condições aos nossos utentes, residentes, alunos e formandos, acima de todos os interesses“.


“Há pessoas no Banco Alimentar que há semanas tinham vida perfeitamente normal” (Nelson Neves)

Nelson Neves afirma que os números atuais da Covid-19 em Portugal são o reflexo de uma má gestão política, a mesma que permitiu abertura em época de Natal que agora é espelhada nos valores avassaladores dos mapas epidemiológicos.

VIAAlexandre Silva
COMPARTILHAR