Mais um óbito por Covid-19 no Carregado – Recuperados superam novos casos ativos no Concelho

A má noticia refere-se a mais uma morte devida à Covid-19 no Carregado, elevando o total de óbitos para 9 na freguesia e para 15 no Concelho de Alenquer. A boa noticia diz respeito ao número de pessoas recuperadas ter superado o total de novos casos ativos.

A má noticia refere-se a mais uma morte devida à Covid-19 na União de Freguesias de Carregado e Cadafais, elevando o total de óbitos para 9 na freguesia e para 15 no Concelho de Alenquer. A boa noticia diz respeito ao número de pessoas recuperadas ter superado o total de novos casos ativos, reduzindo desta forma o total de cidadãos infetados no território municipal.

Com efeito, nas últimas horas foram identificados 31 pessoas que se livraram da infeção pelo coronavírus e estão oficialmente recuperados desta doença pandémica. O total de novos casos no Concelho de Alenquer é de 18, 10 dos quais no Carregado e 6 em Alenquer. os totais destas duas freguesias ascendem hoje a 156 e 71, respetivamente.

De acordo com o mapa epidemiológico divulgado pelas autoridades de saúde há hoje 308 casos ativos em todo o concelho e ainda 585 pessoas que recuperaram desta doença. Meca e Olhalvo têm respetivamente 18 e 10 casos, já longe dos números elevados que registaram persistentemente nas últimas semanas. Em todas as restantes freguesias de Alenquer a tendência tem sido de descida e de recuperação dos casos ativos.

No que diz respeito a pessoas que recuperaram da doença, os números das últimas 24 horas apontam para 10 pessoas no Carregado e outras 10 em Alenquer, como já referimos. Em Meca há mais 4 pessoas recuperadas e em Ribafria e Pereiro, Carnota e Aldeia Galega e Aldeia Gavinha há duas pessoas recuperadas em cada uma das citadas freguesias.

Já em Abrigada e Cabanas de Torres um cidadão está oficialmente curado. A autarquia de Alenquer continua a apelar, e citamos, “a todos os munícipes o total cumprimento das boas práticas de higiene e de distanciamento social para que o número de casos não aumente“.

VIAAlexandre Silva
COMPARTILHAR