Aluno da EBI Carregado que testou positivo vai ter aulas online a partir de segunda-feira

O aluno que testou positivo à Covid-19 na Escola do Carregado vai passar a ter aulas online a partir de segunda-feira. A confirmação foi dada pela direção da própria escola à mãe de Gonçalo, pouco tempo após o Fundamental ter publicado a notícia que dava conta do descontentamento desta encarregada de educação.

O aluno do nono ano que testou positivo à Covid-19 na Escola Básica Integrada do Carregado vai passar a ter aulas online a partir da próxima segunda-feira. A confirmação foi dada pela direção da própria escola a Debora Nobre, mãe de Gonçalo, pouco tempo após o Fundamental ter publicado a notícia que dava conta do descontentamento desta encarregada de educação.

Recorde-se que a mãe deste aluno que está infetado com o coronavírus revelou ontem toda a sua indignação através do Fundamental para com a falta de acompanhamento escolar a que garantia que o filho estava exposto. Débora Nobre revelou que reuniu com a diretora da escola a quem pediu que o filho pudesse ter aulas pela internet, mas este pedido foi negado numa primeira instância.

Horas depois da publicação da notícia os pais de Gonçalo já tinham recebido a garantia de que o filho irá ter acesso ao acompanhamento das aulas a partir de segunda-feira, o que naturalmente acontecerá via internet dado que o jovem está positivo para a Covid-19. Ainda de acordo com a progenitora, pouco menos de uma hora após a publicação da notícia pelo Fundamental já os professores de Gonçalo tinham enviado por email documentação sobre a matéria que está a ser ministrada nas respetivas aulas.

A mãe de Gonçalo falou abertamente e sem complexos desta situação pela qual o filho Gonçalo está a passar e mostrou uma postura muito positiva e desinibida dos constrangimentos que ainda atormentam, infelizmente, muitas pessoas no âmbito desta doença. Uma atitude corajosa que valeu a resolução do problema do filho, que num primeiro momento não teve o devido acompanhamento do sistema de ensino.

Recorde-se que Debora Nobre afirmou que, e citamos, “a minha indignação maior reside no facto do Gonçalo estar desde quarta-feira em casa sem acompanhamento escolar e neste momento os alunos que tenham o azar de estar em isolamento ou infetados não têm qualquer tipo de acompanhamento ou contacto com a escola, sendo isto uma discriminação brutal para um menino que está no nono ano e que tem que decidir que área escolhe para o próximo ano“. Felizmente a situação foi resolvida e o Gonçalo não vai ser descriminado por ter Covid-19.

VIAAlexandre Silva
COMPARTILHAR