Surto de Covid alastra em Meca e Olhalvo – Concelho de Alenquer tem hoje 134 casos ativos

Os casos positivos de cidadãos infetados pelo coronavírus não param de crescer nas freguesias a norte de Alenquer. Meca e Olhalvo concentram hoje um total de 64 pessoas infetadas com a Covid-19. No Concelho de Alenquer verifica-se nesta quarta-feira um total de 134 casos ativos.

Os casos positivos de cidadãos infetados pelo coronavírus não param de crescer nas freguesias a norte de Alenquer. Meca e Olhalvo concentram hoje um total de 64 pessoas infetadas com a Covid-19. No Concelho de Alenquer verifica-se nesta quarta-feira um total de 134 casos ativos.

O cenário mais preocupante vive-se em Meca onde os números não cessam de aumentar desde há vários dias. Nesta quarta-feira há o registo de 44 pessoas infetadas nesta freguesia do Concelho de Alenquer. O chamado “surto” da aldeia de Espiçandeira será o responsável maior pela contabilidade pandémica que se regista em Meca.

Já em Olhalvo os testes positivos de pessoas que são portadoras do coronavírus também tem vindo a aumentar nos derradeiros dias. Nesta quarta-feira, dia 14 de Outubro, há registo de 20 pessoas que deram positivo para esta doença. Até a vizinha freguesia de Ribafria, agora em união com Pereiro de Palhacana, já figura no mapa epidemiológico do município, com o registo de 3 casos positivos.

Em Alenquer e Carregado há atualmente conhecimento de 48 casos positivos de Covid-19, registando-se 24 casos em cada uma das freguesias. Aldeia Galega apresenta 6 casos, Santana da Carnota tem 5 e a Freguesia de Ota apresenta 4 cidadãos que testaram positivo para o coronavírus. No total do concelho, Alenquer regista hoje 134 casos, o número mais elevado desde o inicio desta pandemia, declarada em meados de Março deste ano.


Presidente da Cruz Vermelha do Carregado: “Covid-19 está para ficar nas nossas vidas”

Vítor Fernandes é o mais recente convidado de Nuno Cláudio para a grande entrevista no Fundamental Canal. O Presidente da delegação do Carregado da Cruz Vermelha falou do momento em que vive a instituição e contou como foram vividos os primeiros tempos de pandemia por parte de efetivos e voluntários deste núcleo de Alenquer.

VIAAlexandre Silva
COMPARTILHAR