Vasco Ramos com nova derrota na CERCI: tribunal julgou improcedente providência cautelar

A Justiça julgou improcedente a Providência Cautelar interposta pela candidatura de Vasco Ramos à Presidência do Conselho de Administração da CERCI de Azambuja. Esta é uma nova derrota para a candidatura de Ramos, que já tinha perdido as eleições de 7 de Fevereiro para a lista de José Manuel Franco.

O Tribunal de Alenquer julgou improcedente a Providência Cautelar interposta pela candidatura de Vasco Ramos à Presidência do Conselho de Administração da CERCI de Azambuja. A Providência Cautelar foi avançada após derrota nas eleições de 7 de Fevereiro, quando então Vasco Ramos concorreu com a lista liderada por José Manuel Franco.

Esta acção movida pela candidatura de Vasco Ramos foi apresentada a seguir ao acto eleitoral realizado no inicio deste ano. A candidatura de Vasco Ramos pretendia anular as eleições das quais resultou a vitória da lista de Franco, alegando ter-lhe sido negado o acesso à listagem dos cooperadores no período que antecedeu o sufrágio.

Na altura havia o entendimento, por parte da Mesa da Assembleia Geral, de que tal lista de cooperadores não poderia ser divulgada por uma questão de protecção de dados pessoais. A candidatura de Vasco entendeu que a candidatura de José Manuel Franco estaria em clara vantagem pelo facto de ter nas suas listas um elemento da direcção anterior, que poderia ter acesso à lista de cooperantes e esse facto ser decisivo em campanha.

E daí até à Providência Cautelar foi um passo curto, sendo que hoje a justiça acabou por não reconhecer razão ao pedido de Ramos. De realçar que esta Providência Cautelar suspendeu durante largos meses os plenos poderes da actual direcção, ficando esta com possibilidade para realizar apenas actos de gestão corrente. Mesmo assim, a direcção liderada por Franco conseguiu gerir a CERCI de forma a recuperar a saúde financeira desta instituição.

De facto, José Manuel Franco conseguiu limpar as dívidas da CERCI em apenas seis meses de mandato. De acordo com o presidente daquela instituição sediada em Azambuja, a CERCI também já não tem quaisquer encargos bancários e ainda aumentou para 650 euros os vencimentos mais baixos dos seus colaboradores, tal como o próprio Franco testemunhou ao Fundamental, por ocasião dos seis meses de mandato que foram assinalados a 14 de Agosto.

Recorde-se que o dirigente disse a este propósito: “Hoje a CERCI tem zero dívidas e não tem qualquer encargo bancário“. Franco relembrou que a instituição há cerca de um ano contabilizava 600 mil euros de dívidas. “Há um ano estávamos a discutir dívidas e atrasos de pagamentos e hoje estamos a falar de projectos para o futuro com as contas totalmente liquidadas e em dia“, fez questão de recordar José Franco.

VIAAlexandre Silva
COMPARTILHAR