Deram negativo testes a formadores e recursos humanos da CERCI de Azambuja

Deram negativo todos os testes efectuados a formadores e restantes recursos humanos da CERCI de Azambuja. A noticia foi avançada há minutos ao Fundamental por José Manuel Franco. A quarentena de formandos e formadores vai manter-se até expirar os 14 dias inicialmente previstos.

Deram negativo todos os testes efectuados a formadores e restantes recursos humanos da CERCI de Azambuja. A noticia foi avançada há minutos ao Fundamental por José Manuel Franco, o presidente da direcção da instituição. A quarentena de formandos e formadores vai manter-se até expirar os 14 dias inicialmente previstos.

Para já, o presidente da CERCI mostra-se satisfeito com os resultados dos testes aos oito formadores e restantes elementos do quadro de recursos humanos da CERCI. “Fizemos oito testes entre formadores, psicólogo e assistente social, e todos deram negativo“, refere Franco, que relembra que todos estes elementos trabalhavam directamente com a formação que se encontra de quarentena.

Recorde-se que são 48 formandos e 6 funcionários do Centro de Formação da CERCI de Azambuja que estão em quarentena depois de um caso positivo detectado numa aluna. Esta aluna é filha de uma senhora que testou positivo e que trabalha numa unidade fabril do Carregado. A direcção da CERCI tomou a decisão imediata de colocar em quarentena os 48 alunos e os 6 formadores do Centro, o que aconteceu a 16 de Julho.

Tal como o Presidente da Direcção da CERCI explicou na altura, o formando que testou positivo já não estava na instituição há mais de uma semana: “Assim que a mãe testou positivo a aluna já não voltou a frequentar a instituição”, assegurou igualmente José Manuel Franco. No seguimento desta situação, foram 48 os formandos e 6 formadores que a direcção da CERCI resolveu colocar em quarentena preventiva.

Recorde-se igualmente que estas 54 pessoas eram os contactos directos e indirectos relacionados com a aluna que testou positivo. “É uma questão preventiva e de total precaução”, fez questão de reforçar José Manuel Franco, que assegurou igualmente ao Fundamental que tanto os formandos como os formadores iriam ficar 14 dias em casa e ser acompanhados em permanência.

Na altura, a 16 de Julho, o Presidente da CERCI de Azambuja fez questão de reforçar: “Não há qualquer foco na CERCI, há que ter a capacidade de perceber o que está a acontecer e não criar alarmismos desnecessários”. Na sequência deste caso, dois polos de formação da instituição foram colocados em quarentena. “Para além do polo da Quinta das Rosas, também o polo da Praceta da Fataça foi sujeito ao mesmo procedimento preventivo”, garantiu José Manuel Franco.

VIAAlexandre Silva
COMPARTILHAR