Caos no Hospital de Vila Franca: doentes internados nas casas de banho e nos refeitórios

A denuncia é feita por um relatório produzido pela Entidade Reguladora da Saúde: o Hospital de Vila Franca tem doentes internados nos refeitórios e nas casas de banho daquele complexo hospitalar. A administração do Hospital nega aquele que é considerado pela Entidade Reguladora como um cenário caótico.

A denuncia é feita por um relatório produzido pela Entidade Reguladora da Saúde: o Hospital de Vila Franca tem doentes internados nos refeitórios e nas casas de banho daquele complexo hospitalar. A administração do Hospital nega aquele que é considerado pela Entidade Reguladora como um cenário caótico.

O relatório agora tornado público revela casos de profunda debilidade nos cuidados de saúde prestados por aquele hospital, com doentes internados nos corredores, nas casas de banho e até no refeitório. As primeiras denúncias remontam ao ano de 2015 e desde então foram várias as acções de fiscalização realizadas pela entidade reguladora.

Pode ler-se no relatório que nos últimos quatro anos centenas de utentes estiveram internados fora da enfermaria. O caso mais impressionante revelado foi o internamento em simultâneo de 115 doentes no refeitório do Hospital, de acordo com o mesmo relatório da ERS. “O Hospital de Vila Franca não está a assegurar a privacidade, a dignidade e a qualidade da prestação de cuidados de saúde aos seus utentes”, conclui o mesmo documento.

Mas há mais denuncias, que também chegam às Altas Médicas passadas aos utentes sem prévio contacto com as famílias dos mesmos, deixando-os sozinhos e abandonados no exterior do hospital. A administração do Hospital de Vila Franca nega todas estas acusações e afirma que a utilização dos espaços exteriores às enfermarias para internamento dos doentes já estava prevista nos planos de contingência desenhados para as épocas de maior procura.

Refira-se que o Hospital de Vila Franca de Xira é gerido em regime de parceria publico-privada, sendo o Grupo José de Melo Saúde o seu principal accionista, também responsável pelo Hospital de Braga e pela rede de hospitais e clínicas da CUF.