António José Portela: homenagem merecida ao homem que tem música no sangue

Os 203 anos de Elevação do Cartaxo a Concelho assinalaram também a atribuição da Medalha de Mérito Municipal a uma das figuras mais carismáticas do município relacionada com a arte da música: António José Portela.

As Comemorações do 203.º Aniversário de Elevação do Cartaxo a Concelho assinalaram também a atribuição da Medalha de Mérito Municipal a uma das figuras mais carismáticas do município relacionada com a arte da música: António José Portela.

“isto é vosso, pertence à malta das bandas que anda comigo há anos”, afirmou Portela, quando recebeu a distinção com a qual foi agraciado pelo município cartaxeiro, referindo a disponibilidade com que sempre contou da parte dos músicos e das bandas que segue desde sempre.

A António José Portela Pedro Ribeiro reconheceu “a partilha da sua paixão pela música com toda a nossa comunidade”. “Esta homenagem é o nosso modo de dizer obrigado ao António José Portela”, acrescentou ainda o presidente da Câmara Municipal do Cartaxo.

António José da Silva Portela nasceu a 12 de Novembro de 1948, na então vila do Cartaxo. Desde cedo percebeu a sua paixão pela música. Recorda que quando era pequeno não perdia um Serão Cultural e Recreativo para Trabalhadores, programa radiofónico.

Aos catorze anos Portela comprou um gira-discos da marca Philips que funcionava a pilhas. Sem o seu pai saber, começou por organizar as célebres matinés e bailaricos, numa altura em que não havia luz eléctrica em grande parte das adegas e garagens. Com o gira-discos a pilhas, o entrave estava resolvido!

António José Portela organizou matinés na antiga Sociedade Filarmónica Cartaxense, ao ar livre nos Casais de Além, e muitas sessões em Vale da Pinta. Tinha o cuidado de ser um dos primeiros a ter as novidades dos conjuntos portugueses e estrangeiros e ainda hoje continua, religiosamente, a coleccionar discos de vinil, sendo um dos maiores coleccionadores do país.

O interesse pelos conjuntos portugueses surge em 1964 quando, numa estadia em Lisboa, foi ver o filme “Canção da Saudade” com Victor Gomes e os Gatos Pretos, no antigo Cinema Eden, filme que viu e reviu por 14 vezes, tendo assistido também ao filme Summer Holiday de Cliff Richard & The Shadows, este no Cinema Royal no Bairro da Graça, em que no intervalo actuava o conjunto Mistério.

Em 1966-1967 Portela formou o grupo Hippies Clube, com camisas às flores e calças à boca de sino. Já em 1967-1968 rumou para a capital, continuando sempre a conviver de perto com os conjuntos, e recorda-se de assistir aos ensaios dos Play-Boys, de onde saiu Júlio Pereira do cavaquinho e João Seixas que mais tarde veio a pertencer aos Pretus Castrus.

Foi convidado com 22-23 anos para organizar o programa aéreo que se realizava na Casa dos Tabuenses, na Rua de São Bento e, paralelamente, para organizar os bailes no Grupo Dramático Lisbonense na Rua Cruz dos Poiais, em São Bento (Lisboa), casa essa de onde saiu a actriz Laura Alves.

Entretanto vem o 25 de Abril 1974 e a música ficou um pouco de lado. António José Portela militou no Partido Comunista Português até 1986 e foi pai em 1976 de um rapaz “que o enche de orgulho”, nas palavras do próprio. Regressa à música e às rádios, tendo a primeira experiência em rádio em 1979. Depois mais a sério, mas já no ano de 1985, no advento das rádios piratas.

Ainda voltando a 1983 e 1984, foi Presidente da Direcção do Grupo Desportivo dos Bons Dias, hoje Ramada-Odivelas. Nas rádios, participou em muitas delas com programas próprios com animação e, por vezes, com a participação de vozes femininas com texto, mas exaltando sempre os anos 60. Organizou festas das rádios para que o auditório pudesse divertir-se com os animadores, recebendo louvores de algumas delas.

António José Portela chega ao Cartaxo em 1994, com entrada na rádio a convite de Carlos Palmeiro. Em 1996, “Os Charruas” voltam a reunir-se e Portela ainda mais ficou ligado à banda. Em 1998 organizou juntamente com César Pires e António Oliveira uma evocação a José Afonso com o sobrinho João Afonso a participar. Ainda nesse ano realiza-se a 1ª Gala Pop Rock Anos 60, na Horta da Fonte, sua organização conjunta com Maria Luísa Baptista e a grande contribuição dos Charruas, tal como em Cascais por duas ou três vezes.

Começou então um ciclo de evocações a José Afonso, ora no Auditório Municipal, ora também no Centro Cultural do Cartaxo com a presença de José Mário Branco. Nas rádios continua sempre presente e a funcionar, ora como Presidente da Direcção, ora como Director de Programas. No entanto, no Cartaxo começam as Noites de Verão, organizadas pelo Município desde 1999 até 2011.

Já avô de “dois lindos netos” (avô babado, naturalmente), António José Portela continuou sempre ligado com grande amizade aos elementos das bandas dos Anos 60, até que em 2014 foi convidado para assistir ao aniversário dos “Guitarras de Fogo” do seu querido amigo João Charana, em Almada, ganhando novo entusiasmo para relançar a Gala Pop Rock Anos 60, que se veio a realizar em 2015 e que se tem mantido anualmente.