Sobral, esta manhã: 700 alunos fecham escola a cadeado e exigem mais funcionárias e condições

Sobral de Monte Agraço: a escola Joaquim Inácio da Cruz Sobral foi esta manhã encerrada a cadeado pelos próprios alunos deste estabelecimento de ensino. São cerca de sete centenas e denunciam a escassez de auxiliares de educação.

Sobral de Monte Agraço: a escola Joaquim Inácio da Cruz Sobral foi esta manhã encerrada a cadeado pelos próprios alunos deste estabelecimento de ensino. São cerca de sete centenas e exigem melhores condições, ao mesmo tempo que denunciam a escassez de auxiliares de educação. O agrupamento em causa tem cerca de 35 funcionárias para cinco escolas e 1400 alunos.

De acordo com a professora Márcia Alves, o número de auxiliares de educação tem vindo a reduzir drasticamente naquela escola nos últimos tempos. Duas funcionárias faleceram e não foram substituídas e registaram-se ainda alguns casos de deslocação para outras escolas, para além das naturais aposentações. Tudo somado e a verdade é que são cada vez menos os auxiliares de educação na escola Joaquim Inácio da Cruz Sobral.

Ainda de acordo com a docente Márcia Alves, que também é Presidente do Conselho Geral do referido estabelecimento de ensino, a escassez de auxiliares reflecte-se sobretudo no não funcionamento do bar da escola, da repografia ou da biblioteca. As aulas de educação física são também altamente prejudicadas com esta limitação de funcionárias auxiliares, já que as mesmas têm lugar em equipamentos externos à escola e acabam por não ser levadas à prática por não haver quem acompanhe os alunos nessas deslocações.

Por todas estas razões os cerca de setecentos alunos deste estabelecimento de ensino de Sobral de Monte Agraço perderam a paciência e passaram à acção. Cheios de coragem resolveram encerrar a escola Joaquim Inácio da Cruz Sobral nesta manhã de sexta-feira, fechando-a a cadeado. Quando os professores chegaram ao estabelecimento de ensino, deram de caras com uma escola fechada.

De acordo com Márcia Alves os professores compreendem a iniciativa dos alunos pois reconhecem razões para a existência deste protesto, ainda que a professora tenha afirmado que oficialmente o corpo docente não deva estar associado a esta iniciativa. A verdade é que se trata de uma acção corajosa levada a cabo por alunos exemplares com elevado sentido de cidadania. Acrescentamos nós.


VIAAlexandre Silva
COMPARTILHAR