Água em Alenquer: a entrevista ao Fundamental Canal com Alfredo Trinca, António Matos e Carlos Ferreira

Alenquer Água Justa trouxe para a discussão pública um conjunto de aspectos inerentes à concessão das águas no concelho. Alfredo Trinca, Carlos Ferreira e António Matos aceitaram o convite do Fundamental para explicarem os fundamentos deste movimento.

Desde Abril deste ano que o movimento Alenquer Água Justa tem dinamizado a questão da concessão de Alenquer, trazendo para a discussão pública um conjunto de aspectos inerentes ao serviço prestado pela empresa Águas de Alenquer, que detém a concessão deste serviço desde 2003. Alfredo Trinca, Carlos Ferreira e António Matos aceitaram o convite do Fundamental para explicarem os fundamentos deste movimento.

Desde logo os três entrevistados garantem que não há qualquer propósito de natureza política no Alenquer Água Justa. O grande objectivo passa mesmo por dar um contributo no sentido de vir a ter um serviço de água mais justo e de valor mais equilibrado, tendo em conta que a Deco afirma que em Alenquer se paga a quarta água mais cara de Portugal.

Trinca, Ferreira e Matos também garantem ter a perfeita noção de que será impossível, no imediato, reverter esta concessão e remunicipalizar o serviço. No entanto, afirmam que uma das maiores conquistas deste movimento passará por assegurar que daqui a cerca de 14 anos o município de Alenquer não volte a cometer os mesmos erros associados ao contrato que foi celebrado no âmbito desta concessão. Recorde-se que será em 2033 que terminará a actual concessão.

Até lá há que fazer tudo o que estiver ao alcance dos alenquerenses para que o valor da factura emitida mensalmente pela empresa Águas de Alenquer se transforme num valor mais justo, necessariamente mais acessível. E esse será o propósito imediato do AAJ. Para já, prepara-se a presença na próxima Assembleia Municipal que terá lugar a 27 de Setembro. O movimento pretende trazer para primeiro plano a discussão em torno deste assunto, também e sobretudo ao nível dos intérpretes políticos de Alenquer.

Uma coisa é certa: nunca a temática da água concessionada esteve tanto na ordem do dia em Alenquer como acontece desde Abril, e a responsabilidade cabe por inteiro aos percursores deste movimento. Tendo em conta a quantidade de alenquerenses que assinaram a petição relacionada com a presença na próxima Assembleia Municipal ou mesmo atendendo às várias centenas de cidadãos que diariamente comentam este assunto nas redes sociais, é caso para dizer que em Alenquer a problemática da água está viva.

VIANuno Cláudio
COMPARTILHAR