Alenquer: votação da nova versão do acordo entre Câmara e Águas adiada para dia 11 de junho

A nova versão do acordo entre a Câmara e a Águas de Alenquer era para ter sido apresentada na reunião do executivo desta segunda-feira mas o executivo decidiu adiar a discussão do mesmo para terça-feira, dia 11 de junho.

A nova versão do acordo estabelecido entre a Câmara de Alenquer e a empresa concessionária do serviço de fornecimento de água ao domicílio era para ter sido apresentada na reunião do executivo que decorreu esta manhã no edifício dos Paços do Concelho. O assunto constava no ponto vigésimo da ordem de trabalhos mas o executivo decidiu adiar a discussão do mesmo para terça-feira, dia 11 de junho.

Este adiamento deveu-se ao adiantado da hora a que teria inicio a discussão e votação deste e dos dois pontos restantes da reunião de câmara desta segunda-feira. Faltavam poucos minutos para as 13 horas e o vereador do PSD, Nuno Miguel Henriques, informou que teria de viajar para o estrangeiro precisamente na tarde desta segunda-feira, o que inviabilizou a continuidade da sessão no período da tarde.

Recordamos que depois de ter sido retirado da ordem de trabalhos da Assembleia Municipal de 26 de abril o documento foi reestruturado e hoje estava prevista a apresentação, discussão e consequente votação deste memorando de entendimento, supostamente alterado e estando mais de acordo com as preocupações manifestadas pela bancada socialista na Assembleia Municipal.

Recordamos que este acordo esteve a ser discutido e trabalhado entre câmara municipal e empresa concessionária desde 2019 e foi alcançado com a intermediação do especialista Poças Martins, que intercedeu pela autarquia no sentido desta alcançar o melhor entendimento com a Águas de Alenquer. A primeira versão do acordo foi votada a 11 de abril em sede de câmara e aprovada pela maioria socialista. Para se tornar efetivo teria de ser aprovado em sede de Assembleia Municipal.

O documento acabaria por ser retirado da ordem de trabalhos da assembleia municipal de 26 de abril, uma vez que a maioria socialista neste organismo levantou dúvidas em relação ao conteúdo do acordo, concretamente colocando em causa se o mesmo defenderia os interesses futuros dos consumidores alenquerenses. O PS na Assembleia Municipal liderado por João Miguel Nicolau entendeu que o memorando de entendimento poderia ser mais ambicioso neste contexto, e o documento regressou à discussão entre CMA e AdA.

O presidente Pedro Folgado concedeu uma entrevista ao Fundamental Canal durante a qual referiu ter ficado desconfortável com a falta de sintonia entre os órgãos do PS na Câmara e na Assembleia. O edil também assegurou que seria improvável que o acordo fosse alterado no sentido de baixar os valores previstos no aumento da tarifa, que resultam do pedido de reequilíbrio feito pela empresa concessionária. Refira-se que a possibilidade de efetuar este pedido está previsto no contrato de concessão assinado em 2003.

Pedro Folgado também frisou no decorrer desta entrevista que tinha estabelecido a meta temporal de trazer a nova versão do documento à reunião de câmara que decorreu na manhã desta segunda-feira, dia 3 de junho. Efetivamente foi o que aconteceu, embora a discussão e votação do mesmo tenha sido adiada pelas razões já noticiadas.

O autarca quer ver este assunto resolvido ainda durante o presente mês, levando o acordo à sessão da Assembleia Municipal prevista, à partida, para o dia 28. A nova versão do memorando vai então ser apresentada e discutida a 11 de junho, na continuação da reunião da autarquia que teve inicio na manhã desta segunda-feira.


“Concordo que, ao retirar acordo, o PS na Assembleia defendeu interesses dos alenquerenses” (Carlos Areal)

Carlos Areal comentou o recente desencontro ocorrido entre o executico socialista na Câmara Municipal e a bancada de eleitos do PS na Assembleia Municipal. “Concordo que o PS na Assembleia defendeu os interesses dos alenquerenses ao não permitir que o acordo fosse aprovado”, afirmou Areal.

VIAAlexandre Silva
COMPARTILHAR