Abrigada: autarquia vendeu “Casa dos Silveira” por 100 mil euros – prejuízo de 125 mil em 22 anos

A Câmara de Alenquer vendeu em 2022 a "Casa dos Silveira" em Abrigada por cerca de 100 mil euros. Este mausoléu foi comprado no ano 2000 quando Álvaro Pedro era presidente da autarquia pela quantia de 45 mil contos, o equivalente a 225 mil euros. O prédio não teve qualquer utilidade durante 22 anos e custou aos munícipes um prejuízo de pelo menos 125 mil euros.

A Câmara de Alenquer vendeu em 2022 a “Casa dos Silveira” em Abrigada por cerca de 100 mil euros. Este mausoléu foi comprado no ano 2000 quando Álvaro Pedro era presidente da autarquia pela quantia de 45 mil contos, o equivalente a 225 mil euros, tendo o então presidente argumentado que o imóvel serviria para instalar o futuro Centro de Saúde daquela localidade. O prédio não teve qualquer utilidade durante 22 anos e custou aos munícipes um prejuízo de pelo menos 125 mil euros.

A informação acerca da venda deste imóvel foi transmitida hoje durante a reunião do executivo camarário, tendo o presidente Pedro Folgado respondido a uma pergunta colocada pelo vereador Ernesto Ferreira, eleito pela CDU na autarquia de Alenquer. O edil revelou que a venda teve lugar no inicio de 2022 por um valor a rondar os 100 mil euros, valor este definido por um técnico credenciado da Autoridade Tributária.

Recordamos que o Fundamental noticiou a compra deste imóvel na sua edição de junho de 2000, faz precisamente 24 anos nesta altura. Nessa data o presidente e já falecido Álvaro Pedro afirmara que a então Direção Regional de Saúde tinha dado o aval para a futura instalação do Centro de Saúde de Abrigada precisamente naquele imóvel, sendo esta a razão invocada para a compra do prédio a uma família próxima do antigo autarca.

Ainda antes da compra do mesmo veio a descobrir-se que esse aval da DRS não correspondia à realidade. De facto, as autoridades governamentais jamais tinham aprovado o futuro Centro de Saúde naquele local. Ainda assim a compra foi por diante: foram 45 mil contos (225 mil euros) gastos sem qualquer finalidade ou propósito, dos quais o município apenas recuperou 100 mil euros passados 22 anos.

ESCLARECIMENTO. Na fotografia original que publicámos alusiva a esta notícia, estava englobada a fração que fica situada no mesmo bloco (lado esquerdo do prédio) mas que não corresponde à “Casa dos Silveira” noticiada. Esta fração é particular e nada tem a ver com o conteúdo da noticia, naturalmente. Fica aqui o esclarecimento e a fotografia original, devidamente identificada.


“Concordo que, ao retirar acordo, o PS na Assembleia defendeu interesses dos alenquerenses” (Carlos Areal)

Carlos Areal comentou o recente desencontro ocorrido entre o executico socialista na Câmara Municipal e a bancada de eleitos do PS na Assembleia Municipal. “Concordo que o PS na Assembleia defendeu os interesses dos alenquerenses ao não permitir que o acordo fosse aprovado”, afirmou Areal.

VIANuno Cláudio
COMPARTILHAR