Hospital de Vila Franca duplicou contentores frigoríficos mas está incapaz de guardar tantos mortos

O número de vítimas mortais devidas à Covid-19 continua a aumentar no Concelho de Vila Franca o que leva a que o Hospital Distrital sediado na cidade continue a ter grandes dificuldades em organizar a logística do armazenamento de corpos.

O número de vítimas mortais devidas a complicações provocadas pela Covid-19 continua a aumentar no Concelho de Vila Franca de Xira o que leva a que o Hospital Distrital sediado na cidade continue a ter grandes dificuldades em organizar a logística do armazenamento de corpos. Nesta semana que passou chegaram mais dois contentores frigoríficos que se juntaram aos dois já existentes.

Ainda assim, os agora quatro contentores destinados aos corpos dos defuntos vítimas da pandemia continuam a ser insuficientes para as necessidades desta unidade hospitalar. De acordo com o mapa epidemiológico publicado pelas autoridades de Vila Franca de Xira, nas últimas 48 horas registaram-se mais 21 mortes devidas ao coronavírus, elevando agora o total para 205 óbitos desde inicio da pandemia.

Tal como o Fundamental já tinha noticiado na semana anterior, os corpos são tapados com lençóis e depositados em macas no interior dos referidos contentores. Estes agora quatro equipamentos são insuficientes para a quantidade de vitimas mortais, sendo que alguns dos falecidos são encaminhados pelas agencias funerárias para a respetiva cerimónia fúnebre somente três dias após terem morrido.

Os cadáveres no Hospital de Vila Franca de Xira acabam por ser guardados em macas onde ficam até 3 dias cobertos com um lençol. Os contentores em causa têm capacidade de armazenamento para 20 corpos cada. Os quatro equipamentos estão, no entanto, a caminho de ter a sua capacidade esgotada, e o mesmo sucede com a câmara frigorífica da morgue do próprio Hospital.


Sousa e o martírio da Covid-19: “Peço a Deus que ninguém passe pelo que passei nos últimos 15 dias”

O Presidente da Câmara de Azambuja aceitou o desafio do Fundamental Canal para partilhar com os nossos leitores como foi viver quase três semanas infetado com a Covid-19. Luís de Sousa afirma: “Peço a Deus que ninguém tenha de passar pelo que passei nestes últimos 15 dias”.

VIAAlexandre Silva
COMPARTILHAR