Presidente da CERCI revela: “Pessoas da outra lista (Vasco Ramos) não pagam cotas desde Fevereiro”

José Franco revelou em entrevista ao Fundamental Canal que alguns elementos da lista de Vasco Ramos deixaram de pagar as cotas da CERCI desde Fevereiro. "Meteram uma providência cautelar mas ao mesmo tempo alguns elementos deixaram de pagar as cotas", assegura Franco.

José Manuel Franco revelou em entrevista ao Fundamental Canal que alguns elementos da lista de Vasco Ramos deixaram de pagar as cotas da CERCI desde Fevereiro. “Meteram uma providência cautelar mas ao mesmo tempo alguns elementos deixaram de pagar as cotas“, assegura Franco.

Recorde-se que a providência cautelar interposta pela lista perdedora foi indeferida no passado mês de Setembro. O Presidente da Direção da instituição questiona mesmo qual seriam os verdadeiros motivos que levaram estas pessoas a entrarem para associados da instituição, uma vez que a derrota nas eleições ditou o imediato abandono quanto ao pagamento das quotizações.

Nesta entrevista José Franco fala ainda do projeto que a CERCI propôs à Santa Casa da Misericórdia realizarem em conjunto nas instalações do antigo Hospital de Azambuja. Trata-se da edificação de um conjunto de valências sociais que implicavam um investimento de cerca de 4 milhões de euros. Franco garante que a CERCI cansou de esperar pela decisão final da Santa Casa e vai agora avançar sozinha para este empreendimento, que será levado a cabo na Quinta das Rosas, propriedade da CERCI.

O dirigente esclarece igualmente como conseguiu recuperar a CERCI de Azambuja financeiramente em tão curto espaço de tempo. Recorde-se que a nova direção entrou em funções em Fevereiro deste ano e no mês de Agosto anunciava a recuperação total da instituição no tocante a dividas e encargos, ao mesmo tempo que aumentava alguns dos salários mais baixos praticados com os seus colaboradores.

Ao mesmo tempo José Manuel Franco refere, sobre a pandemia: “Temos vivido uma situação crítica na CERCI por causa da Covid-19“. O Presidente da Direção da instituição informa que há atualmente 22 casos positivos entre utentes e ainda mais 12 funcionários que continuam infetados com o coronavírus. “Este vírus é o desafio ou o grande fiasco das nossas vidas“, acrescenta também Franco. Entrevista para ver aqui no Fundamental Canal.

VIAAlexandre Silva
COMPARTILHAR