Carregado: o outro lado dos contentores – Entrevista com o empresário Lourenço Silva

O parque de contentores instalado no Carregado tem causado reacções adversas por parte da população. A Câmara de Alenquer refere que a actividade está ilegal e afirma que o parque terá de sair do Carregado. O Fundamental entrevistou em exclusivo Lourenço Silva, o empresário que arrendou as instalações à família Pinto Barreiros.

O parque de contentores instalado num terreno contíguo à Urbanização da Barrada desde Março tem causado reacções adversas por parte da população do Carregado. A Câmara Municipal refere que a actividade está ilegal e afirma que o parque terá de sair do Carregado. O Fundamental entrevistou em exclusivo Lourenço Silva, o empresário que arrendou as instalações à família Pinto Barreiros.

Esta entrevista permite desde logo dar voz a quem até hoje não tinha tido oportunidade de partilhar a sua versão dos acontecimentos. O empresário da ALB garantiu ao Fundamental que o parque de contentores vai sair daquele local e nesse sentido já se encontra em negociações com uma localização alternativa para onde pretende deslocar os contentores.

Lourenço Silva assegura que o seu maior desejo nesta altura passa por oficializar a actividade que, garante, quer sediar nas instalações que durante mais de duas décadas acolheram a empresa PERI. O empresário faz questão de referir que a armazenagem de contentores é apenas uma das vertentes da sua actividade e que esta não deve ser confundida com o acto de sediar a empresa naquele local.

E dá o exemplo das vantagens que na sua perspectiva resultam para o Carregado e para a região. Nas últimas semanas a ALB criou 14 novos empregos e todas as vagas foram preenchidas por pessoas da região. Só motoristas foram 5 os contratados. Em tempos de pandemia e com os empregos a escassear, o empresário considera ser factor relevante.

Outro exemplo que Lourenço Silva fez questão de partilhar com os leitores e telespectadores do Fundamental: desde Março e até finais de Julho a empresa gastou perto de 400 mil euros em compras efectuadas nas empresas sediadas na freguesia e na região.

O empresário admite não ter sido prudente ao iniciar a actividade nestas instalações sem ter o “preto no branco” da autarquia no tocante à licença de actividade, mas está disposto a retirar os contentores daquele local e a cingir a actividade da empresa ao contexto do que for licenciado pela autarquia, frisando que não tenciona abdicar destas instalações destinando-as a sede da ALB.

A este propósito, Lourenço Silva assegura que é sua intenção transferir a sede da sua actividade empresarial para o Concelho de Alenquer com tudo o que tal resulta de impostos para o município. Recorde-se que estamos a falar de uma empresa que assegura 160 postos de trabalho, que pretende aumentar contratando funcionários “sobretudo do Carregado e da região”, como Lourenço Silva fez questão de frisar.

Convidamo-lo a ver a entrevista, gravada nas instalações da ALB, onde Lourenço Silva recebeu a reportagem do Fundamental Canal.

VIANuno Cláudio
COMPARTILHAR