Trabalhador da Sonae com covid-19 em estado grave nos cuidados intensivos

Está internado em estado muito grave nos cuidados intensivos um dos mais de 50 trabalhadores do Centro de Distribuição da Sonae que contrairam a infecção pelo Coronavírus. Este homem trabalhava no sector de cargas de frio.

Está internado em estado muito grave nos cuidados intensivos um dos mais de 50 trabalhadores do Centro de Distribuição da Sonae que contrairam a infecção pelo Coronavírus. Este homem trabalhava no sector de cargas de frio.

De acordo com informação que o Fundamental apurou, trata-se de um homem que tinha apenas um pulmão devido a complicações de saúde anteriores. “Agora está a usar fraldas e em estado grave no hospital”, de acordo com a nossa fonte, que assegurou que nesta altura os casos positivos já ultrapassam a meia centena.

De resto, a Zona Industrial de Azambuja voltou hoje a ter honras de abertura televisiva dos telejornais. O canal SIC deu destaque a este tema logo no arranque do bloco noticioso da hora de almoço. O número destacado – 40 trabalhadores infectados – já peca por defeito. O Fundamental pode adiantar que neste momento o número de casos na Sonae já se aproxima dos 60, uma garantia dada por alguém que trabalha no interior do Centro de Distribuição.

Responsáveis pela empresa garantem que apesar do número de casos positivos o plano de contingência está a funcionar. “Ao abrigo do plano de contingência da Sonae MC em qualquer caso de suspeita de Covid-19 ou de colaborador confirmado procede-se ao seu afastamento das instalações e dos seus contactos mais directos e é imediatamente contactada a Direcção Geral de Saúde”, assegura a empresa.

Luís de Sousa também frisou à SIC que a Sonae já foi visitada pela Delegada de Saúde de Azambuja e também pelo coordenador operacional. O autarca falou dos 40 casos confirmados ontem, e assegurou que estão a ser feitos testes aos restantes funcionários. Sousa referiu ainda as inspecções que estão a ser feitas na cintura industrial de Azambuja às restantes fábricas aqui instaladas.

Vários sindicatos afectos à CGTP marcaram uma conferência de imprensa para esta tarde de quarta-feira. Os sindicalistas afirmam que os transportes não chegam e que persiste o problema relacionado com a CP e a insuficiência de comboios que permitam aos seus utilizadores viajarem cumprindo as distâncias de segurança. Estes representantes sindicais afirmam temer que os focos de contágio disparem na Zona Industrial de Azambuja.

VIAAlexandre Silva
COMPARTILHAR