Os tomates do Silvino… já a pensar nas autárquicas de 2021

Opinião de Nuno Cláudio (Director do Jornal Fundamental)

Silvino Lúcio assina um comunicado que a Comissão Política do PS de Azambuja colocou hoje a circular no qual o Partido assume responsabilidade na (má) decisão de viabilizar a actividade da Triaza. Silvino é presidente da Concelhia Socialista local e também é vice-presidente da Câmara de Azambuja, autarquia liderada pelo PS e presidida por Luís de Sousa.

É pública a ambição de Silvino de chegar a presidente da Câmara de Azambuja. Luís de Sousa já anunciou que este será o seu derradeiro mandato, e em entrevista ao Fundamental Canal assumiu que apoiará qualquer um dos seus três vereadores caso Lúcio, Matos ou Sílvia Vítor empreendam a candidatura à Câmara em 2021.

Ora, Sílvia Vítor parece estar completamente fora desta equação por não ter perfil para assumir uma candidatura à Câmara. António José Matos tem essa ambição, mas percebe o contexto e compreende que a sua oportunidade poderá aparecer na era “pós Silvino”. Afrontar nesta altura o “peso pesado” de Aveiras de Baixo poderia ser fatal numa perspectiva de médio ou longo prazo. Aliás, ser-lhe-ia fatal desde logo para a continuidade pós 2021, com toda a certeza.

Por essa razão, Silvino será o mais que provável candidato do Partido Socialista à presidência da Câmara de Azambuja. E muito possivelmente secundado por Sílvia Vítor e por António José Matos, necessariamente nesta ordem, porque assim o exigem as regras internas do partido. De resto, é notório o esforço de Silvino para se apresentar (e converter, porque não dizê-lo) mais polido e fleumático. Um Silvino do século XXI, para fazer esquecer algumas memórias teimosas de um passado cada vez mais distante.

Neste particular saúdo a coragem de Silvino no contexto do aterro da Triaza. Percebendo que este é assunto que mexe verdadeiramente com a população e que não há volta a dar no tocante às responsabilidades inerentes à autarquia (Socialista) quanto ao licenciamento da “lixeira”, Silvino vem dar a cara pelo erro ao mesmo tempo que promete acção para corrigir enganos do passado.

Trata-se claramente de uma posição que encerra alguma demarcação em relação à prestação da autarquia, liderada por Luís de Sousa e da qual Lúcio é vereador (do ambiente, por sinal), que tem sido acusado de reagir tarde e de forma pouco assertiva em relação a este assunto. Na posição de líder da concelhia Socialista, Silvino pode empreender a dinâmica que considerar conveniente no contexto da comunicação e até da acção tendo em conta os objectivos que pretende alcançar em 2021.

Relembro que Luís de Sousa também assumiu durante a reunião de Câmara extraordinária realizada na passada semana que a autarquia terá errado ao licenciar o aterro da Triaza, o que significa que neste particular Presidente da Câmara e Comissão Política Concelhia estarão em sintonia. A diferença talvez resida na intensidade da resposta, que Silvino e a CP pretendem ser musculada e mais convincente aos olhos da população. Silvino, com eles em “su sítio”, assume com coragem e segue o seu caminho.


VIANuno Cláudio
COMPARTILHAR