Aveiras: morte de Eduardo Martins no posto da GNR local causa consternação na comunidade

Eduardo Martins faleceu no passado Domingo em pleno posto territorial da GNR, em Aveiras de Cima. Pouco antes tinha sido conduzido a este quartel devido a supostas infracções ao código da estrada. Eduardo Martins era conhecido pela alcunha de "negro" e tinha 76 anos.

Foi a mais recente partida de um conhecido habitante de Aveiras, mas desta vez em circunstâncias pouco comuns: Eduardo Martins faleceu no passado Domingo em pleno posto territorial da Guarda Nacional Republicana, em Aveiras de Cima. Pouco antes tinha sido conduzido sob detenção a este quartel devido a supostas infracções ao código da estrada. Eduardo Martins era conhecido pela alcunha de “negro” e tinha 76 anos.

De acordo com a versão que é contada de forma mais comum em Aveiras de Cima, Eduardo Martins terá desrespeitado um sinal de STOP, facto que foi presenciado por agentes do posto local da GNR. A reacção do senhor à abordagem dos militares não terá agradado aos “guardas”, que o terão conduzido ao quartel situado no primeiro andar do número 21 da Rua 25 de Abril, situado a escassas dezenas de metros do cruzamento onde as supostas infracções decorreram. O incidente terá contribuído para que Eduardo se tivesse sentido mal, a ponto de vir a falecer ainda nesse dia e em pleno quartel da GNR.

De facto, e já no posto da Guarda Nacional Republicana de Aveiras, Eduardo Pratas Martins ter-se-á sentido mal e o desfecho acabou por ser o falecimento deste idoso, no interior do quartel da GNR. O caso está, naturalmente, a ser muito falado em toda a vila, devido às circunstâncias anómalas do sucedido. Eduardo era casado com Camila Martins.

Neste momento os familiares de Eduardo Martins aguardam os resultados da autópsia para conseguirem compreender exactamente o que terá levado à morte repentina e inesperada deste homem de 76 anos, muito conhecido em Aveiras de Cima. Nas redes sociais lêem-se alguns comentários que encerram desconfiança em relação ao suposto excesso de zelo no comportamento dos agentes locais. Como já foi dito, apenas o resultado da autópsia poderá determinar com exactidão a causa da morte de Eduardo.


VIAAlexandre Silva
COMPARTILHAR