Futebol na região: Castanheira retira Carregado da liderança do campeonato

O Juventude da Castanheira causou sensação ao derrotar por três bolas a uma o líder Carregado em pleno Lacerda Pinto Barreiros. Fora das quatro linhas a nova direcção do JC fala em descalabro de contas. Uma herança pesada da antiga direcção liderada por Mário Nuno Duarte.

O Juventude da Castanheira causou sensação ao derrotar por três bolas a uma o líder Carregado em pleno Lacerda Pinto Barreiros. O jogo contou para a 12ª jornada da série 1 do campeonato distrital de futebol da terceira divisão. Esta foi apenas a segunda derrota dos comandados de Sérgio Ricardo, sendo que o resultado acabou por retirar a liderança do campeonato à Associação Desportiva.

Desta forma, o Carregado para a ser segundo classificado, com 28 pontos e a 2 pontos do líder, a equipa B do sintrense 1º de Dezembro. No outro jogo que envolveu a outra equipa da região, o Alenquer e Benfica perdeu em Sintra perante a equipa B do Sintrense por duas bolas a zero. Com mais esta derrota os seniores do SAB ocupam um modesto 14º lugar e têm somente duas vitórias em 12 jogos.

De regresso ao Juventude da Castanheira, o clube tem sido notícia também devido às dificuldades financeiras que têm sido expostas pela nova direcção, que fala numa dívida herdada da direcção anterior na ordem dos 426 mil euros. As contas de 2018 foram aprovadas pela Assembleia Geral do Juventude da Castanheira, sendo que a direcção recentemente empossada fala mesmo em descalabro financeiro.

Paulo Torrão é o novo presidente do Juventude da Castanheira e sucede a Mário Nuno Duarte, que esteve no cargo praticamente duas décadas. Torrão afirmou recentemente que o JC ainda aumentou a dívida em 24 mil euros do ano 2017 para o ano 2018. De acordo com o actual presidente, as contas de 2018 foram aprovadas com nove meses de atraso devido à alegada perda de ficheiros contabilísticos nos computadores da associação, na altura presidida então por Mário Nuno Duarte.

A direcção de Paulo Torrão, eleita em Novembro último, fez uma participação ao Ministério Público e à Autoridade Tributária para que estas entidades investiguem a situação em que se encontra o Juventude da Castanheira. De acordo com a nova direcção, estas participações são “uma medida necessária para nos precavermos de eventuais irregularidades que possam ter sido cometidas pela anterior direcção”.

Refira-se que o descalabro das finanças do clube verifica-se desde que uma derrapagem orçamental resultante da edificação das bancadas e novos balneários do campo de futebol endividou o clube em 750 mil euros. Nessa altura Juventude da Castanheira e Câmara de Vila Franca de Xira estabeleceram um protocolo que comprometia a edilidade a transferir a título de subsídio o montante total das obras da bancada.

O problema foi mesmo o derrapar do custo da obra, sendo que não havia qualquer compromisso por parte da autarquia no sentido de financiar trabalhos extras não previstos no protocolo inicial. O Juventude ficou desta forma obrigado a assumir a dívida para com a empresa de construção, uma vez que era a entidade proprietária da obra. Neste momento faltam liquidar 354 mil euros. Sem a ajuda da câmara municipal, a nova direcção afirma ser muito difícil conseguir pagar esta verba.

O Juventude da Castanheira também deve a fornecedores 56.162 euros, e 860 euros à Segurança Social. Já o activo deste popular clube da Castanheira do Ribatejo reduziu drasticamente, de 2017 para 2018, de 385 mil euros para 81 mil euros, o que ainda torna mais difícil a situação do JC. Ainda assim, Paulo Torrão afirma-se motivado para procurar reverter a situação do clube.