Azambuja deita ao lixo toneladas de manuais escolares recolhidos pelos pais

Toneladas de livros e manuais escolares recolhidos pelo Banco de Livros da Associação de Pais deitados ao lixo em Azambuja. O caso foi denunciado por José Carlos Matos e terá ocorrido hoje. Os livros estavam amontoados na antiga escola primária dos Casais de Baixo, mas nesta manhã de terça-feira conheceram o caminho da reciclagem.

Toneladas de livros e manuais escolares recolhidos pelo Banco de Livros da Associação de Pais deitados ao lixo em Azambuja. O caso foi denunciado por José Carlos Matos e terá ocorrido hoje. Os livros estavam amontoados na antiga escola primária dos Casais de Baixo, mas nesta manhã de terça-feira conheceram o caminho da reciclagem.

A APEAZ – Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas de Azambuja, garante que os manuais deitados ao lixo não estavam em condições de serem reutilizados. “Os livros que foram hoje encaminhados para o Banco Alimentar estavam em muito mau estado de conservação e garanto que nenhum aluno merecia estudar por eles!”

Fonte da Associação respondeu desta forma a José Carlos Matos, cidadão de Azambuja e candidato pelo CDS – Partido Popular à Assembleia Municipal, que presenciou o desbaratar de milhares de livros que eram destinados aos PALOP – Países de Língua Oficial Portuguesa.

“Qual não é o meu espanto quando hoje de manhã passo pela antiga escola primária dos Casais de Baixo e vejo carregar para uma viatura de resíduos centenas, quando não milhares, de manuais escolares que haviam sido recolhidos pelo Banco de Livros da Associação de Pais e que ali estavam guardados até que se arranjasse forma de os oferecer para os PALOP ou quaisquer outras instituições que fizesse mais deles que pasta de papel”, refere Matos.

Em resposta, a mesma fonte da APEAZ ainda acrescentou: “a ideia não foi livrar do trabalho que dá a troca de livros. Todos os livros que serão distribuídos pelas famílias que os solicitaram à APEAZ, no âmbito do Banco de Manuais Usados, foram um a um introduzidos numa base de dados de acordo com a tabela de manuais adoptados para o ano lectivo 2017/18, publicada no site do Agrupamento”.

Segundo garante a APEAZ, os livros e manuais escolares que hoje foram para a reciclagem não estariam em condições de serem reutilizados e por essa razão vão ser trocados por alimentos. José Carlos Matos discorda e coloca em dúvida se os livros não estariam ainda em condições de serem reutilizados: “sei o que vi, e sinceramente vi manuais que poderiam servir a muita criança que nem sequer um livro têm”.

O candidato do CDS – Partido Popular acrescenta: “Só sei que vi carregar livros a uso, e não tinham mau aspecto, até porque conhecendo como conheço quem estava à frente do banco de livros, os mesmos não deveriam estar assim tão degradados, e isso para mim é muito triste, pois um livro escolar que se destrói é um pedaço de conhecimento que se perde”.

José Carlos Matos continua a garantir que os livros estavam em bom estado, e acrescenta: “É que assim não é fácil encorajar os pais a sensibilizar os filhos para estimarem os manuais com o argumento de que os mesmos podem vir a servir para outras crianças, e depois vêm alguém que nada fez para os recolher deitar os mesmos para o lixo. É uma tristeza ver as coisas que se vão fazendo por debaixo dos nossos narizes”.

VIAAlexandre Silva
COMPARTILHAR