Areal sobre a Feira da Ascensão: “É sempre igual todos os anos e não atrai novos visitantes”

Carlos Areal aceitou o convite do Fundamental para opinar sobre a Feira da Ascensão. Areal foi candidato à presiência da Câmara Municipal em 2013 e também foi candidato à presidência da Freguesia Unida de Carregado e Cadafais nas derradeiras autárquicas, sempre em representação da CDU.

Carlos Areal

Carlos Areal aceitou o convite do Fundamental para opinar sobre a Feira da Ascensão. Com estreita ligação ao Partido Comunista de Alenquer, Areal foi candidato à presiência da Câmara Municipal em 2013 e também foi candidato à presidência da Freguesia Unida de Carregado e Cadafais nas derradeiras autárquicas.

 Sobre a Feira, Carlos Areal começa por referir: “Na minha opinião, que transmiti algumas vezes em reuniões da própria Câmara, e em outras ocasiões também o fiz perante um dos responsáveis da ACICA, fui dizendo que considerava um erro colocar sempre os mesmos expositores nos mesmos locais do recinto da Feira”, refere.

Areal justifica a sua posição: “
Isto dá uma imagem de a feira ser sempre igual de um ano para o outro, transmitindo aquela sensação de o visitante já ter estado presente no ano anterior e por essa razão não valer a pena voltar a deslocar-se à Feira, por não se verificar o factor novidade ou inovação”.

Ainda acerca deste assunto pertinente da própria Feira, Carlos Areal explica qual foi a resposta que ouviu: “Responderam-me que não podia ser de outra maneira porque a maior parte dos expositores não aceitaria mudar de local se tal lhes fosse imposto”. O autarca comunista acrescenta: “
A ser verdade, então não vale a pena convidar amigos e familiares para ir à Feira porque muitos vão argumentar já ter ido em anos anteriores, pelo que não estarão pelos ajustes para ver sempre a mesma coisa”.

Acerca do espírito do certame, a edição de 2018 merece de Carlos Areal o seguinte comentário: “Olhei para o programa de actividades e também aí aquilo que vejo são as propostas de actividades artísticas e recreativas de anos anteriores”, opina, rematando: “O cartaz também não parece um peça que contribua para aumentar a curiosidade em visitar a feira este ano”.

 Carlos Areal aproveita a oportunidade para expressar um desejo, em jeito de conselho: “Desejo a todos os intervenientes um grande sucesso, mas lembrem-se daquele comerciante que tem a montra igual à que tinha há trinta anos; espero que não façam como esse comerciante, que só se queixa de ter tão poucos clientes”.

 

 
VIAAlexandre Silva
COMPARTILHAR