Paulo Tomás: “Feira da Ascensão não espelha o tecido empresarial de Alenquer”

Paulo Tomás é mais uma das personalidades de Alenquer convidadas para opinar sobre o espírito da actual Feira da Ascensão. O empresário, ligado à conhecida empresa alenquerense Auto-Diesel, refere que o cartaz do certame traduz a realidade actual da feira, mas garante que esta não é comparável com a feira de há duas décadas.

Paulo Tomás é mais uma das personalidades de Alenquer convidadas para opinar sobre o espírito da actual Feira da Ascensão. O empresário, ligado à conhecida empresa alenquerense Auto-Diesel, refere que o cartaz do certame traduz a realidade actual da feira, mas garante que esta não é comparável com a feira de há duas décadas.

FO que lhe parece o cartaz da edição de 2018 da Feira da Ascensão?
Paulo Tomás – O cartaz da Feira da Ascensão traduz a realidade actual da feira, que não é comparável com a feira de há 15 ou 20 anos. Nessa altura a Feira da Ascensão tinha um impacto regional, atrevo-me até a dizer nacional, muito para além do concelho de Alenquer.

FEm que aspectos residia o interesse que a Feira despertava?
Paulo Tomás – A Feira conseguia captar o interesse de muitos expositores, concelhios e de outros sítios, inclusive representações nacionais, que por sua vez atraiam visitantes de todo o País. Havia um dinamismo inerente à feitura da Feira. Recordo-me que a empresa na qual trabalho começava a preparar a feira no início do ano e conseguia atrair todos os seus parceiros de negócio, os quais faziam questão em estarem presentes. Diretores gerais de multinacionais e de outras empresas com dimensão nacional vinham visitar a Vila de Alenquer nesta altura do ano. Infelizmente esse dinamismo perdeu-se.

FE porque considera que se perdeu esse dinamismo?
Paulo Tomás – Não só devido à crise mundial e consequente diminuição dos custos despendidos pelas empresas, mas também por muita inercia na promoção do evento. Hoje, ainda sendo o maior certame do concelho de Alenquer, não espelha o tecido empresarial concelhio, nem é apelativo para que este invista no mesmo. Claro está que os carroceis e os Dj’s atraem muita juventude e há sempre os alenquerenses que fazem questão de estarem presentes na sua feira. No entanto muito se perdeu e muito terá que ser alterado para que a Vila de Alenquer volte a ter a sua Feira da Ascensão.

 

VIAAlexandre Silva
COMPARTILHAR