Câmara de Salvaterra considerada a mais transparente do Distrito de Santarém

O Município de Salvaterra de Magos surge em primeiro lugar do distrito de Santarém e em 18º a nível nacional, com 78,85 pontos em 100, no Índice de Transparência Municipal (ITM) 2017 divulgado na quarta-feira, dia 11 de abril.

O Município de Salvaterra de Magos surge em primeiro lugar do distrito de Santarém e em 18º a nível nacional, com 78,85 pontos em 100, no Índice de Transparência Municipal (ITM) 2017 divulgado na quarta-feira, dia 11 de abril.

Ao nível do distrito, Salvaterra de Magos passou do 3º (2016) para o 1º lugar (2017). Em termos nacionais, regista-se a subida de mais de 50 lugares em relação ao índice 2016, quando ocupava a 71ª posição entre os 308 municípios portugueses.

Os dados foram publicados pela Transparência e Integridade – Associação Cívica (TIAC), que anualmente analisa o grau de transparência das autarquias do país com base na análise de informação disponibilizada aos cidadãos nos sites das autarquias.

Nos últimos quatro anos, o Município de Salvaterra de Magos tem vindo a subir neste ranking. Em 2013 ocupava o lugar 159 a nível nacional, em 2014 subiu para a 118ª posição e em 2015 alcançou o 93º lugar. Em 2016 conquistou a 71ª posição e em 2017 o lugar 18. Ao nível dos municípios do distrito de Santarém passou do 14º lugar, em 2013, para o 1º lugar em 2017.

“É com orgulho que, neste particular, o Município de Salvaterra de Magos está entre os melhores e entre o melhor que se faz em termos de uma gestão municipal dinâmica, competente, cuidada e transparente. É com muito trabalho e a colaboração e disponibilidade dos nossos funcionários que podemos almejar dar continuidade à qualidade que já atingimos” refere o Presidente da Câmara Municipal de Salvaterra de Magos, Hélder Manuel Esménio.

O Índice de Transparência Municipal é composto por 76 indicadores agrupados em sete dimensões: 1) Informação sobre a Organização, Composição Social e Funcionamento do Município; 2) Planos e Relatórios; 3) Impostos, Taxas, Tarifas, Preços e Regulamentos; 4) Relação com a Sociedade; 5) Contratação Pública; 6) Transparência Económico-Financeira; 7) Transparência na área do Urbanismo.