Azambuja: milhares de garrafões iluminados buscam milagre da intervenção estatal na EN3

Continua o martírio da EN 3, troço Vila Nova da Rainha - Azambuja: enquanto a mortandade não conhecer um retrocesso significativo, a Plataforma EN 3 não vai abrandar nas iniciativas destinadas a pressionar o governo central com o intuito de promover uma intervenção naquele trajecto. A próxima acção está marcada para 15 de Maio, Dia das Famílias.

O martírio da Estrada Nacional 3, troço Vila Nova da Rainha – Azambuja: enquanto a mortandade não conhecer um retrocesso significativo, a Plataforma EN 3 não vai abrandar nas iniciativas destinadas a pressionar o governo central com o intuito de promover uma intervenção naquele trajecto. A próxima acção está marcada para 15 de Maio, Dia das Famílias.

A ideia consiste em criar uma corrente iluminada de garrafões com água e lamparinas, que irão pejar o trajecto da EN 3 entre Azambuja e Carregado. Será necessário reunir milhares de garrafões, mas Inês Louro, uma das fundadoras da Plataforma, está optimista quanto ao sucesso desta iniciativa, que será apresentada dia 9 de Março na sede da Freguesia de Azambuja e que resultará de uma parceria entre freguesias: Azambuja, Vila Nova da Rainha e Carregado.

Recorde-se que a Plataforma EN 3 foi criada em finais de 2016 por Inês Louro, Presidente da Freguesia de Azambuja; por Joaquim Ramos, antigo Presidente da autarquia azambujense; e por André Salema, Presidente da Direcção dos Bombeiros Voluntários de Azambuja, depois de mais um trágico acidente que semanas antes vitimara jovens rostos de Azambuja.

A Estrada Nacional 3 é unanimemente considerada um perigo público, sobretudo no troço entre Azambuja e Vila Nova da Rainha, no trajecto que atravessa a zona industrial. Por essa razão, a iniciativa agendada para 15 de Maio quase que funciona como uma espécie de oração em memória dos que faleceram em acidentes naquela estrada. Mesmo assim, Inês Louro garante que a mesma não terá qualquer conotação religiosa.

Até lá haverá muito trabalho pela frente. Recolher garrafões, que terão de somar largas centenas; e preparar os mesmos para albergar as respectivas lamparinas. A ideia passa por colocar os garrafões de ambos os lados da EN 3, devidamente espaçados, de modo a formar uma corrente que naturalmente chame a atenção da comunidade para a problemática daquela estrada, que ainda no último fim de semana foi palco de acidentes dos quais resultaram mais seis feridos.

A Plataforma EN 3 está ainda a considerar a possibilidade de criar uma placa evocativa em memória dos que perderam a vida naquela fatídica estrada. Inês Louro não dá o facto como consumado, mas pelo menos existe a vontade de concretizar a iniciativa. A placa seria colocada na EN 3, numa região de divisão entre os concelhos de Azambuja e Alenquer.

Refira-se, a propósito, que ambos os municípios apoiam esta iniciativa da Plataforma, estando previstas as presenças de Luís de Sousa e de Pedro Folgado aquando da apresentação do evento. A Plataforma pretende envolver a sociedade local, através da presença e participação de particulares, escolas, colectividades e instituições. Afinal, a segurança naquela estrada é assunto que “toca” a todos os que vivem na região.

 

VIANuno Cláudio
COMPARTILHAR