Salvaterra inaugura centro documental dedicado à Falcoaria

A Câmara Municipal de Salvaterra de Magos inaugurou no dia 1 de dezembro de 2017 o Centro de Documentação “Joaquim da Silva Correia e Natália Correia Guedes".

A Câmara Municipal de Salvaterra de Magos inaugurou no dia 1 de dezembro de 2017 o Centro de Documentação “Joaquim da Silva Correia e Natália Correia Guedes”.

A iniciativa assinalou o primeiro aniversário do Reconhecimento pela UNESCO da prática da Falcoaria em Portugal como Património Cultural Imaterial da Humanidade, numa candidatura liderada pela Câmara Municipal de Salvaterra de Magos e apresentada em conjunto com a Universidade de Évora e a Associação Portuguesa de Falcoaria.

“A autarquia assumiu nesta candidatura a criação de um Centro de Documentação com o objectivo de investigar, adquirir e disponibilizar informação sobre a prática da Falcoaria e, ao mesmo tempo, promover e divulgar a Falcoaria Real de Salvaterra de Magos, mantendo actualizadas e disponíveis ao público as colecções que o venham a constituir”, refere Hélder Esménio, presidente da Câmara local.

O novo espaço reúne, por isso, uma biblioteca, um arquivo e uma sala de leitura. No mesmo local funciona também a sede da Associação Portuguesa de Falcoaria e o Espaço Cátedra UNESCO. Na cerimónia de inauguração, o Presidente da Câmara Municipal de Salvaterra de Magos destacou a importância do Centro de Documentação para “todos aqueles que queiram estudar a arte da Falcoaria e a história do Concelho de Salvaterra de Magos”.

O presidente da Associação Portuguesa de Falcoaria, Pedro Afonso, agradeceu a cedência de espaço por parte da autarquia para a criação da sede da associação e sublinhou a mais valia do novo Centro. “O facto de termos um Centro de Documentação sobre Falcoaria em Portugal é um passo gigante, estamos na linha da frente do que de melhor se faz no mundo e é uma semente para o conhecimento, académico e não académico, sobre Falcoaria”, disse.

Filipe Themudo Barata, representante da Universidade de Évora, felicitou a Câmara Municipal por esta aposta. “Não há muitos centros de documentação especializados como este”, referiu. Já para Natália Correia Guedes, este centro “é um convite dirigido aos salvaterrenses que têm em casa documentos, objectos e memórias e que os devem oferecer à terra”.

A criação deste Centro de Documentação vem fortalecer o registo assumido em 2014 de “Salvaterra de Magos – Capital Nacional da Falcoaria”, tornando a Falcoaria Real num edifício que preserva a evolução histórica da falcoaria, aliando o conhecimento e a investigação à prática desta arte milenar cada vez mais activa no nosso país.

 

DEIXE UMA RESPOSTA