Xiii… o meu cão fez xixi no chão (Rubrica de Jorge Guilherme)

A rubrica "Silencioso confidente - No limite da verdade" é da autoria e responsabilidade de Jorge Guilherme, e pretende sensibilizar, informar ou mesmo instruir (através de dicas, respondendo a duvidas) os leitores para varias fases de treino ou familiarização e aquisição do animal ideal. O objectivo é claro: lutar contra a irresponsabilidade e maus tratos dos animais.

Afinal qual é a nossa capacidade de raciocínio? Qual o limite racional do ser Humano? Que tal um cãozinho de loiça?!?

Não faz xixi … não ladra…. Não come… não dá trabalho, só tem que limpar o pó de vez em quando, não passa frio, não dá gastos, não chateia os vizinhos, em imobilização é o maior, só muda de sítio quando o capturamos (cuidado que eles são muito rápidos). Não é preciso ter muitos cuidados, apenas dizer às crianças que este não morde, parte-se! E ainda por cima, na maior parte das vezes, é sempre de pura raça!

Aquele cão que ladra, é chato! Exprime os sentimentos, não gruda da nossa presença! O raio do cão ama-nos mesmo a serio! Aquele cão que come, é terrível! Está para nós, como nós para a vida! Sente a nossa falta! Sente a falta da nossa voz! Do nosso cheiro, do som do bater do nosso coração!

Aquele cão que faz xixi, é desumano! Precisa da nossa atenção! Da nossa capacidade de sermos responsáveis, de termos capacidade dinamizadora, de saber ensinar, de termos método nas nossas atitudes! Acima de tudo obriga-me a fazer parte da Sociedade, a ser Cívico nas minhas atitudes. Aperceber-me onde acaba a minha liberdade, começa a dos outros!

Aquele cão que corre atrás da bola, não pára! Faz daquele momento do dia, o mais diferente! Faz com que eu esqueça os problemas, obriga-me a correr, a rir, a brincar em conjunto com ele! Aquele cão que se senta ao pé de mim, não desgruda! Torna-se um confidente silencioso, no qual conto todos os meus sentimentos, segredos, problemas, e torna-se num ouvinte tranquilo, num confidente plenamente assumido.

Aquele cão quando está doente, aborrece-me! Desperta em mim o sentimento de dor! De carinho, aquele sentimento que um verdadeiro ser Humano sente, quando ama alguém!

Aquele cão, quando morrer…. Bem… leva algo meu com ele…. e isso é mau demais. Por isso existe um tribunal, chamado vida, e um Juiz chamado “dono” onde estes cães são julgados pelas seguintes razões:Por amar demais; por acreditar demais; por ser fiel na amizade; por ser um silencioso confidente; e por agir de verdade.

E o desfecho desse Julgamento é sempre: abandono. Por vezes é tão bom ouvir: Xiii… sou o maior. O meu cão não fez nada em casa!!

DEIXE UMA RESPOSTA